Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Otimismo com crescimento global atinge mínima histórica, mostra pesquisa

    Feito pelo BoFA Securities, levantamento de gestores de fundos mostrou que 71% dos entrevistados estavam pessimistas sobre as perspectivas mundiais

    Pesquisa considerou as opiniões de empresas que administram um total de mais de US$ 833 bilhões
    Pesquisa considerou as opiniões de empresas que administram um total de mais de US$ 833 bilhões 21/01/2016. REUTERS/Jason Lee/File Photo

    Por Saikat Chatterjee, da Reuters

    Ouvir notícia

    O otimismo entre os gestores de fundos sobre o crescimento econômico global atingiu o menor nível histórico, enquanto as preocupações com uma possível estagflação aumentaram para a máxima desde agosto de 2008, mostrou uma pesquisa mensal do banco de investimento BoFA Securities nesta terça-feira (12).

    A pesquisa, que considerou as opiniões de empresas que administram um total de mais de US$ 833 bilhões, é um dos maiores testes regulares das opiniões dos gestores de fundos e ocorre em um momento em que as pressões inflacionárias aumentam, mesmo com a elevação do risco de recessão nas principais economias.

    Questionados sobre suas expectativas para o crescimento global nos próximos meses, 71% dos entrevistados na pesquisa estavam pessimistas sobre as perspectivas, o maior percentual desde o início dos registros da pesquisa no começo dos anos 1990.

    A edição europeia da pesquisa constatou que os investidores continuam reduzindo suas projeções para o crescimento europeu, com 81% dos entrevistados prevendo enfraquecimento da economia da região no próximo ano, em comparação com 69% na edição de março.

    Embora as carteiras de dinheiro dos gestores de fundos – tradicionalmente um indicador de cautela do investidor – tenham diminuído para 5,5% na edição de abril da pesquisa, ante 5,9% no mês anterior, as perspectivas de uma recessão global continuam sendo o principal risco para os mercados globais, de acordo com a pesquisa.

    O conflito Rússia-Ucrânia recuou para o quarto lugar, após ações agressivas relacionadas a juros por bancos centrais e inflação.

    A pesquisa foi realizada entre 1º e 7 de abril.

    Mais Recentes da CNN