Petrobras aguarda demais nomes do conselho para convocar assembleia

Conselho de administração da estatal se reuniu nesta quarta-feira para deliberar sobre mudanças no comando da empresa

Assembleias Gerais da Petrobras estão sujeitas ao prazo mínimo de 30 dias entre a convocação e a realização
Assembleias Gerais da Petrobras estão sujeitas ao prazo mínimo de 30 dias entre a convocação e a realização 23/04/2015REUTERS/Paulo Whitaker

Raquel Landimda CNN

Ouvir notícia

Após reunião do conselho de administração realizada nesta quarta-feira (25), a Petrobras informou que ainda não é possível convocar a assembleia de acionistas para trocar a presidência da empresa conforme solicitado pelo governo federal.

Em fato relevante divulgado para o mercado, a empresa informou que vai aguardar a entrega pelo ministério do Minas e Energia dos demais membros do conselho e de sua avaliação pelo comitê de elegibilidade.

Nesta semana, a União solicitou ao conselho de administração a demissão do presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, e sua substituição pelo executivo Caio Mario Paes de Andrade, que hoje atua como secretário especial no ministério da Economia.

“A convocação de uma nova AGE pressupõe o envio das indicações dos demais sete membros do conselho eleitos e a manifestação do comitê de pessoas acerca do enquadramento dos indicados aos requisitos e às vedações legais”, informa fator relevante divulgado pela estatal.

Isso é necessário porque José Mauro Coelho, que foi demitido 40 dias depois de sua posse, foi eleito pelo sistema de voto múltiplo. Nesse sistema, é preciso reeleger toda a chapa. Apenas três conselheiros ficam de fora da exigência – dois representantes dos minoritários e a representante dos trabalhadores.

A legislação também exige que, depois da entrega de toda a documentação, a Petrobras aguarde 30 dias para convocar a assembleia, a fim de que seus acionistas possam se informar sobre os indicados para depois depositar seu voto. A União é a principal acionista da Petrobras, mas a empresa também tem ações em bolsa.

Mais Recentes da CNN