PF realiza operação em Salvador contra fraude na Previdência Social

Funcionário público é suspeito de fraudar processos de aposentadorias, aumentando o tempo de contribuição dos aposentados em troca de pagamentos

Operação da Polícia Federal em Salvador
Operação da Polícia Federal em Salvador Foto: Divulgação/Polícia Federal

Jhonatã Gabriel, da CNN, em Salvador

Ouvir notícia

Com o objetivo de desarticular um esquema de fraudes na Previdência Social, praticadas por servidor público federal lotado em uma agência do INSS no bairro das Mercês, em Salvador, a Polícia Federal e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia deflagraram, na manhã desta quarta-feira (23), a Operação Contrassenha.

São cumpridos seis mandados de busca e apreensão, sendo cinco em Salvador e um em Catu, expedidos pela Justiça Federal, que decretou também o afastamento das funções públicas de servidor do INSS, que não teve o nome divulgado, além do bloqueio e sequestro dos bens e valores em nome dos investigados.

Leia também:

Lava Jato: PF faz operação em 3 estados e investiga contratos da Petrobras

Polícia faz operação em MG e investiga empresas acusadas de lavagem de dinheiro

Polícia cumpre mandados no RJ contra grupo que fraudava cartões do Bilhete Único

Conforme as investigações, pelo menos desde 2017, o servidor público fraudava processos de aposentadoria, aumentava o tempo de contribuição, bem como alterava ou incluía vínculos empregatícios fictícios.

As investigações apontam também o envolvimento de terceiros na captação de clientes. Em troca ele recebia valores pagos pelos beneficiários do esquema, por meio de transferências e depósitos em contas bancárias gerenciadas por ele.

A movimentação bancária, somente na conta do servidor investigado, supera R$ 1,5 milhão de reais desde 2017, entre recebimento de transferências e depósitos de terceiros.

O prejuízo estimado aos cofres públicos até o momento supera os R$ 7,5 milhões, relativos a 75 benefícios fraudados. Mas no decorrer das investigações, os números podem aumentar.

Os envolvidos responderão por crimes de estelionato previdenciário, inserção de dados falsos em sistema informatizado, corrupção passiva e corrupção ativa.

Mais Recentes da CNN