Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que investir nas estatais mesmo em um momento de crise?

    Fernando Habda é o convidado da vez do O que Eu Faço? e dá dicas sobre o melhor momento e a melhor forma de investir nas empresas controladas pelo Estado

    Podcast O Que Eu Faço, com Santander
    Podcast O Que Eu Faço, com Santander Foto: CNN Brasil

    Do CNN Brasil Business, em São Paulo

    Ouvir notícia

     

    Em meio à crise econômica e a mudanças controversas nas estatais, pode haver insegurança na hora de apostar as fichas em grandes nomes como Petrobras ou Banco do Brasil. Mas para além do momento atual e da trajetória dessas empresas, é importante avaliar para onde elas caminham.

    O conselho é de Fernando Hadba, estrategista de Pessoa Física da Santander Corretora, que resume o assunto em uma máxima: “a história está ruim, mas o caminho é de melhora”. 

     

    De acordo com Habda, o grande momento para apostar em estatais é justamente quando essas empresas passam a adotar novas posturas para sair de um cenário de crise.

    Mesmo assim, ele não deixa de reconhecer, é claro, que existe um fundo de razão na desconfiança dos investidores, especialmente quando há suspeitas de interferências que impactam o lucro da empresa. 

     

    Ele pontua que o problema não mora na troca de comando da estatal, algo comum inclusive em empresas privadas, mas sim na possibilidade de que essa troca derrube a lucratividade. Afinal de contas, nas palavras do estrategista, ninguém investe nas estatais simplesmente por patriotismo. 

    Fernando Habda é o convidado do novo episódio do O que Eu Faço? e dá dicas sobre o melhor momento e a melhor forma de investir nas empresas controladas pelo Estado.

    Na conversa com Luciana Barreto e Fernando Nakagawa ele relembra ainda outras empresas públicas que não são controladas pela União, mas podem ser uma aposta no momento, como a Cemig ou a Sabesp. O estrategista do Santander também pontua quais são os principais riscos e perfis de rendimento dessas empresas.  

    (Texto publicado por Ligia Tuon)

    Mais Recentes da CNN