Portuários indicam greve de 48 horas na próxima semana na Argentina

Os líderes do setor concordam que os trabalhadores portuários devem ser protegidos da Covid-19, mas o programa de vacinação do país teve uma implantação lenta

Grãos são carregados em navios para exportação em um porto do rio Paraná perto de Rosário, Argentina 31/01/2017
Grãos são carregados em navios para exportação em um porto do rio Paraná perto de Rosário, Argentina 31/01/2017 Foto: REUTERS/Marcos Brindicci

Hugh Bronstein, da Reuters

Ouvir notícia

As exportações de grãos da Argentina permaneceram paralisadas nesta quinta-feira (20) devido a uma greve de trabalhadores portuários exigindo a vacinação contra a Covid-19, com os grupos trabalhistas ameaçando outra paralisação de 48 horas na próxima semana.

A Câmara de Atividades Portuárias e Marítimas da Argentina disse à Reuters que a greve na quarta e quinta-feira (20) interrompeu a atividade portuária.

Os líderes do setor concordam que os trabalhadores portuários devem ser protegidos da Covid-19, mas o programa de vacinação da Argentina teve uma implantação lenta.

Depois de uma reunião com funcionários do governo na noite de quarta-feira (19), os sindicatos emitiram um comunicado dizendo que iriam “continuar a luta para proteger nossa saúde”.

Eles afirmaram ainda que “estão prontos para convocar uma nova greve de 48 horas a partir da zero hora de quarta-feira (19), 26 de maio”.

Trabalhadores portuários que preparam navios para navegar depois de carregados estavam entre os que estavam em greve, juntamente com capitães de rebocadores e marinheiros que conduzem navios de carga no porto.

Além disso, os inspetores de grãos do cais representados pelo poderoso sindicato Urgara disseram na quarta-feira (20) que estavam se juntando à paralisação.

Os trabalhadores portuários são “essenciais” para a economia e, portanto, têm direito à vacinação, afirmaram os sindicatos.

Um porta-voz do Ministério da Saúde não respondeu a um pedido de comentário.

“Nós, como indústria, reconhecemos que todos os funcionários devem ser vacinados. O governo está tentando lidar com a situação da melhor maneira possível. É importante que os portos continuem operando e coordenando futuros programas de vacinação”, disse Gustavo Idigoras, chefe do CIARA, câmara das empresas exportadoras.

A Argentina é o maior exportador mundial de farelo de soja e a terceira fornecedora mundial de milho e uma grande exportadora de trigo.

A greve acontece durante a alta temporada de exportação, quando os produtores argentinos colhem suas principais safras comerciais de soja e milho.

 

Tópicos

Mais Recentes da CNN