Preço da cesta básica sobe em 16 das 17 capitais brasileiras, diz Dieese

Recife foi a única capital onde o custo da cesta caiu, registrando menos 1,30% de seu valor

Arroz e feijão em bufê tipo self-service
Arroz e feijão em bufê tipo self-service Foto: José Cruz/Agência Brasil (20.set.2018)

Por Elaine Patricia Cruz, da Agência Brasil

Ouvir notícia

Em novembro, o preço da cesta básica subiu em 16 das 17 capitais brasileiras analisadas na Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Recife foi a única capital onde o custo da cesta caiu, registrando menos 1,30% de seu valor.  

Leia também 
TCU identifica 7 milhões de pagamentos irregulares do auxílio emergencial
Fim do auxílio pode levar a desigualdade de volta ao patamar dos anos 80

As maiores altas foram observadas em Brasília, 17,05%; Campo Grande, 13,26%; e Vitória, 9,72%. 

Segundo o Dieese, o arroz, o óleo de soja, a carne, o tomate e a batata tiveram alta expressiva na maioria das capitais.

A cesta básica mais cara do país é a do Rio de Janeiro, onde custava, em média, R$ 629,63 em novembro. A cesta mais barata foi encontrada em Aracaju, com custo médio de R$ 451,32.

Com base no preço da cesta básica mais cara observada pela pesquisa, o Dieese estimou que o salário mínimo necessário para suprir as despesas de um trabalhador e de sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, seria de R$ 5.289,53 em novembro, o que corresponde a 5,06 vezes o mínimo atual, de R$ 1.045.

Por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19), a coleta de dados pelo Dieese, na maior parte das capitais analisadas, tem sido feita virtualmente.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN