Preço do petróleo fica praticamente imóvel mesmo após acordo da Opep+

Tratado entre países produtores, que se compromete a reduzir a oferta global em cerca de 10%, parece não ter impactado mercado

Plataforma de produção de petróleo da Petrobras
Plataforma de produção de petróleo da Petrobras Foto: Divulgação/Petrobras

Reuters

Ouvir notícia

Na manhã desta segunda-feira (13), os preços do petróleo operavam perto da estabilidade, mesmo com o impacto positivo de um acordo global para cortes recorde de oferta. Agora, surgem preocupações de que a medida talvez não tenha sido suficiente para reduzir uma sobreoferta no mercado causada pelo efeito do coronavírus sobre a demanda.

Após quatro dias de negociações, a Opep+ — grupo de países produtores que contempla membros da Opep e outros como a Rússia — chegou a um acordo para reduzir a produção em 9,7 milhões de barris por dia (bpd) em maio e junho, o que representa cerca de 10% da oferta global.

O petróleo Brent subia US$ 0,04, ou 0,13%, a US$ 31,52 dólares por barril, às 8h39 do horário de Brasília. O petróleo dos Estados Unidos (EUA) avançava US$ 0,13, ou 0,57%, a US$ 22,89 por barril.

O presidente americano Donald Trump elogiou o pacto e disse que ele salvará empregos na indústria de energia norte-americana.

Arábia Saudita, Kuweit e Emirados Árabes Unidos se comprometeram a fazer cortes ainda mais profundos que o combinado, o que pode na prática reduzir a oferta da Opep+ em 12,5 milhões de bpd ante os níveis atuais, conforme disse o ministro de Energia saudita.

Enquanto isso, no entanto, analistas lançavam dúvidas sobre o comprometimento dos produtores com os cortes. Mesmo levando em conta o cumprimento total do acordo, a fraqueza da demanda ainda mantinha um teto aos ganhos no petróleo.

“Nós esperamos que a decisão da Opep+ no máximo estabeleça um piso para o mercado”, disse Harry Tchilinguirian do BNP Paribas.

“Nós não esperamos uma recuperação sustentada nos preços do petróleo até que haja uma liberação da demanda reprimida no terceiro trimestre.”

Mais Recentes da CNN