Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Preocupação com Ômicron prejudica bolsas da Ásia e da Europa

    Preocupação internacional com o avanço da variante Ômicron do novo coronavírus e seus efeitos na inflação são destaques do cenário econômico desta segunda-feira (20)

    Thais Herédiada CNN

    Em São Paulo

    Ouvir notícia

    O avanço da variante Ômicron do novo coronavírus na Europa assusta os mercados e faz a semana começar com perdas nas bolsas da Ásia no mercado europeu. A Holanda decretou novo lockdown e outros países se preparam para impor novas restrições para conter a circulação do vírus mas ainda encontram muita resistência da população.

    O mercado está preocupado com o ritmo da atividade econômica e os efeitos da nova onda de Covid-19 na inflação, já que não é possível prever se a pressão sobre os preços vai aumentar ou diminuir.

    Na China, o governo anunciou redução da taxa de empréstimos de curto prazo, passando a mensagem de que quer manter a força do crescimento econômico, apesar dos desequilíbrios no mercado imobiliário e dos riscos geopolíticos.

    No mercado internacional de petróleo, houve queda de mais de 3% e o minério de ferro subiu quase 4%, reagindo à decisão do governo chinês de baixar juros.

    A farmacêutica Moderna começa a semana com alta nas ações. A empresa anunciou que uma terceira dose de seu imunizante aumenta a proteção contra a variante Ômicron do coronavírus.

    Brasil

    No país, a Ômicron ainda não gera preocupação. Os governos têm estado ocupados com os casos de gripe, causados pelo vírus influenza.

    O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, disse nesta segunda (20) que não há data para definir a vacinação das crianças, autorizada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) na semana passada.

    No início da manhã desta segunda (20), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) avisou que a audiência pública para discutir a desestatização da Eletrobras não será mais na quarta-feira (22) e passará para o dia 5 de janeiro.

    A mudança na data já era esperada depois que o Tribunal de Contas da União (TCU) adiou a análise do projeto que autoriza a venda de ações do governo federal mais uma vez.

    A derrubada do veto para o fundo eleitoral, permitindo gasto de 5,1 bilhões em 2022, acendeu alerta sobre a força da articulação do governo no Congresso.

    Agenda do dia

    No Boletim Focus, divulgado nesta segunda (20), há uma boa sinalização sobre como deve ser o comportamento da inflação nos próximos anos.

    As previsões para o IPCA de 2023 e 2024 foram reduzidas para 3,4% e 3% respectivamente. Os números demonstram que a estratégia do Banco Central  de continuar subindo a taxa de juros, mesmo diante do enfraquecimento da atividade econômica, foi absorvida pelo mercado.

    No curto prazo, houve leve revisão para baixo no IPCA deste ano, e para cima no índice do ano que vem.

    A previsão do PIB (Produto Interno Bruto) cai novamente para 2021, ficando em 4,58%, e se mantém em 0,5% para 2022.

    No Congresso Nacional, o relator do Orçamento de 2022 vai apresentar seu parecer final nesta segunda (20). A proposta vai considerar uma margem de mais de 113 bilhões no teto de gastos após aprovação da PEC dos Precatórios e também vai contemplar 16,5 bilhões de reais para as emendas do relator.

    No exterior, temos o índice de confiança do consumidor na zona do euro.

    Mais Recentes da CNN