Prévia da inflação: IPCA-15 acelera a 0,94%, maior alta para outubro desde 1995

O indicador – que é considerado uma prévia da inflação oficial do país – mostrou forte alta quando comparado ao mês de setembro, quando ficou em 0,45%

Paula Bezerra,

do CNN Brasil Business, em São Paulo*

Ouvir notícia

 

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) acelerou a 0,94% em outubro, a maior taxa para o mês desde 1995 e da maior alta mensal desde dezembro do ano passado. As informações foram divulgadas na manhã desta sexta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 

O indicador – que é considerado uma prévia da inflação oficial do país – veio acima da expectativa do mercado. A Reuters, por exemplo, esperava uma alta de 0,81%. Além disso, demonstrou forte alta quando comparado ao mês de setembro, quando ficou em 0,45%.

Leia também:
Inflação e auxílio emergencial: qual o sentido de uma nota de R$ 200?
IPCA de setembro sobe 0,64%, maior resultado para o mês desde 2003, diz IBGE
SP: Supermercados registram maior inflação em 26 anos para setembro, diz Apas

No ano, a prévia da inflação acumulou alta de 2,31% e em 12 meses registrou 3,52%, acima dos 2,65% nos 12 meses anteriores – ainda assim, o número encontra-se abaixo do centro da meta para o ano, que é de 4%.

Alimentos e bebidas pressionam 

Segundo o IBGE, os preços dos alimentos e bebidas pressionaram o indicador com a maior alta, de 2,24%, e estão entre os grupos e o maior impacto, com 0,45 ponto percentual. A maior contribuição veio das carnes, com alta de 4,83%.

Além disso, o IBGE destaca o aumento no preço do óleo de soja, com 22,34%; do arroz, 18,48%;  tomate, 14,25%; e do leite longa vida, 4,26%. O único grupo dos nove pesquisados a apresentar queda em outubro foi Educação (-0,02%).

Para o cálculo do IPCA-15, os preços foram coletados de 12 de setembro a 13 de outubro de 2020 (referência) e comparados com aqueles vigentes entre 14 de agosto e 11 de setembro de 2020 (base).

O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

(Com Reuters)

Mais Recentes da CNN