Indústria cresce 8,9% em junho, mas não reverte perdas com pandemia

Mesmo com o desempenho positivo em junho deste ano, a indústria ainda está 27,7% abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011

Paula Bezerra,

do CNN Brasil Business, em São Paulo*

Ouvir notícia

A economia brasileira tem demonstrado sinais de melhora com a retomada das atividades, após o isolamento social para conter a disseminação do novo coronavírus. Prova disso é que a produção industrial brasileira cresceu 8,9% em junho, quando comparado a maio. É o que mostra a Pesquisa Industrial Mensal (PIM), divulgada nesta terça-feira (04) pelo IBGE. Essa foi a segunda alta consecutiva do setor industrial, mas ainda insuficiente para reverter a perda de 26,6% acumulada entre março e abril. 

Segundo o IBGE, o avanço no mês de junho foi generalizado em todas as grandes categorias econômicas, e em 24 dos 26 setores pesquisados. Entre as atividades que influenciaram a alta, o destaque está para o de veículos automotores, reboques e carrocerias, que avançou 70% em junho – puxada por carros e caminhões.

Leia também:
Confiança da indústria teve alta de 12,2 pontos em julho, informa FGV
Prévia da confiança da indústria mostra recuperação em julho, diz FGV
Governo precisa comprar tempo com medidas de longo prazo, diz Volpon

O resultado mensal foi o mais elevado desde junho de 2018 (+12,9%), quando o setor retomou a produção logo após a greve dos caminhoneiros, de acordo com o IBGE. Mesmo com o desempenho positivo nos últimos dois meses, a indústria ainda está 27,7% abaixo do nível recorde alcançado em maio de 2011.

Em maio e junho, o ganho acumulado foi de 17,9% e o resultado mostra que o setor reverteu o caminho na direção de uma recuperação depois das fortes perdas anteriores em razão das paralisações para contenção do coronavírus. Entretanto, ainda foi insuficiente para reverter a queda acumulada de 26,6% de março e abril.

“A produção industrial ainda está longe de eliminar a perda concentrada nos meses de março e de abril. O saldo negativo desses quatro meses é bastante relevante (-13,5%)”, diz o gerente da pesquisa, André Macedo.

Ainda assim, o segundo trimestre encerrou com recuo de 17,5% em relação aos três primeiros meses do ano. No primeiro trimestre a queda havia sido de 2,7% sobre os três meses anteriores. Em relação ao mesmo mês do ano passado, a produção teve queda de 9,0%, no oitavo resultado negativo seguido nessa base de comparação.

Destaques

Em junho, o avanço foi generalizado, com destaque entre as grandes categorias econômicas para a alta de 82,2% na produção de Bens de Consumo Duráveis. Os Bens de Consumo Semi e não Duráveis subiram 6,4%.

Entre as atividades, o destaque partiu de veículos automotores, reboques e carrocerias, que avançou 70,0%, impulsionada pelo retorno à produção de unidades paralisadas por causa da pandemia.

Também estão entre os destaques de expansão em junho a fabricação de bebidas (19,3%), de indústrias extrativas (5,5%), de produtos de borracha e de material plástico (17,3%) e de outros equipamentos de transporte (141,9%).

Por outro lado, dois ramos produtivos tiveram resultados negativos: produtos alimentícios e de coque e produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, ambos com queda de 1,8%.

A melhora nos dados fez com que economistas e analistas consultados pela pesquisa Focus do Banco Central revisassem, novamente, a previsão para o PIB em 2020. Agora, o mercado espera uma queda de 5,66%. Na pesquisa anterior, a expectativa de retração era de 5,77%. Essa é a quinta semana consecutiva que o mercado melhora a previsão da economia para o ano. 

(Com Reuters) 

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN