Queda no preço do bitcoin atinge ações da Coinbase e de outras corretoras cripto

Investidores pareciam alarmados com a nova linguagem na apresentação de resultados trimestrais da corretora à SEC, que alertou sobre os riscos de falência

Representação da criptomoeda Bitcoin
Representação da criptomoeda Bitcoin 19/10/2021REUTERS/Edgar Su

Paul R. La Monicado CNN Business

Ouvir notícia

O ​​crash do bitcoin está atingindo fortmente a Coinbase.

A corretora de criptomoedas relatou uma perda no primeiro trimestre na terça-feira (10) e uma receita que caiu 27% em relação ao ano anterior, abaixo das previsões de Wall Street. As ações da Coinbase caíram mais de 25% nesta quarta-feira (11) e atingiram seu nível mais baixo de todos os tempos.

As ações da corretora caíram mais de 75% este ano e estão sendo negociadas quase 85% abaixo de seu preço mais alto de todos os tempos em novembro. As ações perderam mais da metade de seu valor apenas na semana passada.

A queda nas ações da Coinbase coincide com a queda maciça no valor do bitcoin, ethereum e outras criptomoedas nos últimos meses. A Coinbase disse em seu relatório de ganhos que cerca de 48% de sua receita de transações veio de bitcoin e ethereum no trimestre.

Os preços do Bitcoin caíram abaixo de US$ 30.000 na quarta-feira, após o relatório do Índice de Preços ao Consumidor sobre a inflação.

Como resultado da volatilidade, a Coinbase relatou quedas acentuadas no número de usuários, volume de negócios e ativos a partir do quarto trimestre.

“O primeiro trimestre de 2022 continuou uma tendência de preços mais baixos de criptoativos e volatilidade que começou no final de 2021”, disse a Coinbase em carta aos acionistas. Mas a empresa acrescentou que a Coinbase continua “tão empolgada como sempre com o futuro da criptomoeda”.

Ainda assim, os investidores pareciam estar alarmados com a nova linguagem na apresentação de resultados trimestrais da Coinbase à Securities and Exchange Commission, que alertou sobre os riscos de falência.

A empresa disse que “em caso de falência, os ativos criptográficos que mantemos sob custódia em nome de nossos clientes podem estar sujeitos a processos de falência e esses clientes podem ser tratados como nossos credores quirografários gerais”.

Isso implicaria que os clientes não poderiam acessar fundos se a Coinbase declarasse falência.

Mas o CEO da Coinbase, Brian Armstrong, tentou tranquilizar os clientes e esclarecer qualquer confusão a respeito da conversa sobre falência. Em uma série de tweets na noite de terça-feira, Armstrong escreveu que “seus fundos estão seguros na Coinbase, assim como sempre estiveram” e acrescentou que “não temos risco de falência”.

Armstrong escreveu que a empresa foi obrigada a incluir a linguagem de aviso de falência por causa de “uma divulgação recém-exigida para empresas públicas que detêm ativos criptográficos para terceiros” como resultado das regras da SEC.

A Coinbase é indiscutivelmente a empresa de criptomoedas de maior destaque. Isso gerou muita atenção no início deste ano para um anúncio bizarro (mas agitado) do Super Bowl apresentando nada mais do que um código QR que se movia pela tela por 60 segundos.

A corretora disse em seu relatório de ganhos que o anúncio “resultou em melhorias significativas em nosso reconhecimento de marca, favorabilidade e consideração”.

A Coinbase também está ocupada adicionando outras criptomoedas à sua plataforma, como o cardano. E também lançou um mercado para tokens não fungíveis (NFTs), ativos digitais que se tornaram cada vez mais populares no mundo da arte e dos colecionáveis.

Nada disso foi suficiente para parar a queda maciça nas ações da Coinbase, no entanto.

A empresa abriu seu capital no ano passado por meio de uma listagem direta de suas ações na Nasdaq e imediatamente valeu quase US$ 100 bilhões. O valor de mercado da Coinbase está agora em torno de US$ 15 bilhões.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN