Reino Unido deve banir Huawei de redes 5G

O primeiro-ministro Boris Johnson é pressionado pelos Estados Unidos a reverter sua decisão de janeiro de conceder à Huawei um papel limitado nas redes 5G

Foto: Reuters/Dado Ruvic

Da Reuters

Ouvir notícia

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, deve banir a Huawei das redes 5G do país, em uma decisão que irritará Pequim, mas é apoiada pelo presidente Donald Trump, enquanto os EUA enfrentam a crescente influência econômica e tecnológica da China.

Os Estados Unidos pressionaram Johnson a reverter sua decisão de janeiro de conceder à Huawei um papel limitado nas redes 5G, enquanto Londres ficava apreensiva com a repressão chinesa em Hong Kong, além da percepção de que a China não divulgou todos os fatos sobre o coronavírus.

Leia também:
5G coloca Bolsonaro em saia justa política
Suspeita sobre a China cria problema para implantação do 5G, diz Guedes
‘Decidimos por caminho que põe Brasil no mapa do 5G no mundo’, diz CEO da Claro
Huawei alerta para elevação de custos do 5G caso Brasil ceda à pressão de Trump

O Conselho de Segurança Nacional do Reino Unido (NSC), presidido por Johnson, se reunirá na terça-feira para discutir a questão da Huawei. O secretário de mídia, Oliver Dowden, anunciará uma decisão à Câmara dos Comuns no final do dia.

O motivo imediato para banir a Huawei é o impacto de novas sanções dos EUA sobre a tecnologia de chips, que Londres diz afetar a capacidade da empresa de se manter uma fornecedora confiável no futuro.

Não está claro até onde Johnson irá na terça-feira. As operadoras de telefonia já tinham que limitar o papel da Huawei nas redes 5G em 35% até 2023. Agora, está sendo discutido o corte total da empresa após um período adicional de dois a quatro anos, embora algumas empresas do setor tenham avisado que ir rápido demais pode atrasar a tecnologia e prejudicar seus serviços.

Questionado sobre a Huawei em junho, Johnson disse que protegeria a infraestrutura crítica de “fornecedores estatais hostis”. O secretário da Justiça, Robert Buckland, disse nesta segunda-feira que a “prioridade” da decisão seria a segurança nacional.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN