Renova Energia tem aval para recuperação judicial; sócio vende fatia

Empresa somava dívidas de mais de R$ 3 bilhões em outubro do ano passado, antes de pedir proteção contra credores

Energia eólica
Energia eólica Foto: Laurel and Michael Evans / Unsplash

Por Luciano Costa, edição Alberto Alerigi Jr. da Reuters

Ouvir notícia

A Renova Energia, empresa de geração renovável que tem como principal acionista a Cemig, informou que teve homologados pela Justiça planos de recuperação judicial e que um de seus fundadores vendeu a participação que detinha na companhia.

A aprovação dos planos pela 2ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais da Comarca do Estado de São Paulo foi confirmada pela empresa em comunicado na noite de sexta-feira, (18).

Nesta segunda-feira, (21), a Renova disse que um de seus fundadores, Ricardo Lopes Delneri, decidiu vender a totalidade de suas ações na companhia.

Leia também 
Conta de luz no Amapá não será paga por 185 mil consumidores
Neoenergia, Cteep, Energisa e Mez ganham projetos de transmissão em leilão

Em comunicado, a empresa explicou que Delneri venderá suas ações a Renato do Amaral Figueiredo, também sócio fundador.

Ambos detinham participação na Renova equivalente a 20,8% da totalidade das ações da elétrica, por meio da CG II Participações.

A saída de Ricardo Delneri será viabilizada com a venda de sua participação na CG II a Renato do Amaral.

Fundada em 2001 pelos dois acionistas da CG II, a Renova depois recebeu aporte de capital do grupo Cemig.

A empresa somava dívidas de mais de R$ 3 bilhões em outubro do ano passado, antes de pedir proteção contra credores.

A Renova propõe quitar créditos com garantia real em 11 anos, com 24 meses de carência e pagamento do principal em 18 parcelas semestrais.

Credores quirografários devem ser pagos em 14 anos, também com carência de principal por 24 meses e parcelas semestrais, segundo o plano.

Tópicos

Mais Recentes da CNN