Rogério Marinho sobre programa Renda Brasil: Bolsonaro baterá o martelo na sexta

A decisão deve ser de prorrogar o atual auxílio emergencial até dezembro com a redução gradual do valor repassado e depois transicionar para o novo programa

Foto: Ana Nascimento/CCE

Do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

O ministro de Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro “baterá o martelo na sexta-feira (28)” sobre as alternativas de implementação do programa de distribuição de recursos Renda Brasil.

“Teremos uma reunião técnica na sexta-feira pela manhã com os técnicos de cada ministério e no final da tarde, com o presidente da República, teremos a oportunidade de definir qual a política que será apresentada ao Congresso”, afirmou Marinho em entrevista à rádio Bandeirantes nesta quarta-feira (26).

Leia também:
Renda Brasil de R$ 300? Só cortando deduções do IR, diz Guedes
Corte de supersalários volta como opção para financiar Renda Brasil

De acordo com Marinho, em princípio a decisão é de prorrogar o atual auxílio emergencial até dezembro com a redução gradual do valor repassado e, a partir de janeiro do próximo ano, implementar o novo programa de distribuição de renda.

Sobre as formas de financiamento do programa, o ministro afirmou que prefere não especular sobre o fundo que viabilizará os repasses nem antecipar a decisão a ser tomada na sexta-feira.

Marinho disse também que esteve reunido nesta quarta-feira com o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes após a ausência de Guedes na terça-feira na cerimônia de lançamento do programa Casa Verde e Amarela.

Guedes tem sido uma voz dentro do governo a favor da agenda liberal e publicamente contra a expansão dos gastos públicos em infraestrutura, defendida por Marinho.

Casa Verde e Amarela

De acordo com Marinho, em entrevista à rádio Bandeirantes, a redução do custo de contratação da Caixa Econômica Federal para mediar o financiamento irá permitir a construção de 350 mil unidades acrescidas às 400 mil por ano previstas pelo programa.

Segundo explicou o ministro, o projeto prevê a criação de 2 milhões de novos empregos e a arrecadação de R$ 11 bilhões em impostos pelos cofres públicos.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN