Saiba os truques de comissários e pilotos para contornar situações desagradáveis

Passageiros alcoolizados, reclamações descabidas, agressões... saiba quais são as atitudes que mais incomodam os tripulantes de cabine de aviões comerciais

Foto: Hispanolistic / Getty Images

Thiago Vinholes, colaboração para o CNN Brasil Business

Ouvir notícia

 

A profissão do comissário de bordo vai muito além de servir comida e bebida aos passageiros em viagens de avião. Eles são técnicos de segurança de voo, treinados para lidar com diversas situações para manter o conforto e a ordem na cabine com centenas de ocupantes.

Comissários são preparados para combater incêndios, evacuações de emergência, sobreviver na selva, entre outras enventualidades. Isso também inclui o trato com os passageiros.

O CNN Brasil Business ouviu tripulantes de companhias aéreas brasileiras, na condição de anonimato, que contaram algumas atitudes dos passageiros que mais os incomodam. São detalhes de bons modos até situações embaraçosas ou mesmo perigosas para o voo e os demais ocupantes.

Não fale durante a apresentação de segurança

Se você é viajante experiente e está acostumado a voar, tente não falar alto durante a apresentação dos procedimentos de segurança antes da decolagem. Isso é importante para a segunça do voo e dos passageiros.

“Pode ser um avião que você nunca voou ou de uma companhia diferente. Você sabe agora de cabeça onde fica o colete salva vidas-vida ou a saídas de emergência no Airbus A320? Ou no Boeing 747? Se acontecer alguma coisa você precisa saber, e nós contamos com isso”, contou Alessandro G*, comissário de bordo há mais de 35 anos.

“Tem pessoas que estão acostumadas a viajar de avião e não percebem que muitos passageiros estão andando de avião pela primeira vez. Eles são os que mais prestam atenção nos procedimentos”, disse G.

Aeromoça é coisa do passado

Comissárias de bordo não gostam de ser chamadas de aeromoça. A palavra de gênero feminino surgiu com a profissão do tripulante de cabine no Brasil, nos anos 1930. As primeiras empresas do país que contrataram tripulantes de cabine profissionais foram a Varig e a Real Aerovias.  

Nos Estados Unidos, a profissão de comissário de bordo foi um trabalho exclusivo para mulheres por muito tempo, e aqui no Brasil, o oposto. A Varig, por exemplo, só contratou comissárias quando começou a voar para Nova York, em 1954, quase 30 anos após sua fundação

“Pra ser bem sincera, eu acho o nome ‘aeromoça’ feio. É antigo. Se for assim, os homens são os ‘aeromoços’?”, questionou Flávia B*, comissária de bordo de uma grande empresa brasileira e com mais de 10 anos de experiência como comissária de bordo. “No meio da aviação não usamos mais, mas no dia a dia dos voos é normal ouvir dos passageiros. Se precisar de alguma coisa pode dar uma acenadinha quando estivermos na sua visão. Você também pode chamar pelo nosso nome que está no crachá, por isso que as letras são grandes, ou apertar o botão no painel”, contou Flávia, acrescentando que não gosta de ser chamada por assovios e estalos de dedos. “Nem que puxem minha roupa.”

Os terríveis voos de formatura

É raro, mas pode acontecer. O maior pesadelo de um comissário de bordo é ser escalado para um voo fretado com alunos de formatura. “É uma gritaria, eles não param um minuto. Ficam no corredor, levantam o tempo todo, correm pelo avião. É preciso ficar atento e ter muita paciência”, revelou João D*, ex-piloto de linha aérea.

“Houve um tempo que fiz muitos desses voos, de São Paulo para Porto Seguro. Quando tinha muita agitação, eu mandava reduzir a temperatura da cabine, deixar bem frio. Dava uma acalmada e todo mundo sentava. Não pode ter bagunça no avião, é coisa séria”, contou o piloto.

“Numa dessas viagens, um voo de São Paulo para Porto Seguro, com escala em Ribeiro Preto, levamos duas turmas. No embarque da primeira turma, todos os passageiros foram para o fundo da cabine. Durante a decolagem, notamos uma mudança no centro de gravidade do avião quando o nariz levantou um pouco antes do esperado. Era o peso da turma do fundão”, relembra o piloto.  

“O pior é na ida. Eles estão mais ansiosos. Na volta é raro ter bagunça, eles voltam exaustos, alguns dormem o voo todo”, disse o comissário Alessandro G, que também acompanhou voos com alunos de segundo grau recém-formado.

Reclamações e atitudes descabidas dos passageiros

O comissário de bordo sempre está disposto a ajudar os passageiros, inclusive em situações de emergência, mas há limites. “É complicado lidar com passageiros que reclamam de bebês chorando durante o voo. É preciso ter compreensão. Acontece durante a subida e a descida do avião, quando tem aquela diferença de pressão no ouvido. O bebê não sabe o que está acontecendo, aquilo incomoda ele. É só ter paciência”, mencionou o comissário G.

“É raro, mas ainda tem passageiro que tenta fumar no banheiro do avião. A gente pega ele rapidinho, tem um alarme”, revela G. “Não somos brutos no tratamento com passageiro. Tem que levar uma situação como essa de forma discreta e educada, de preferência sem chamar atenção dos outros passageiros. Você avisa o passageiro no banheiro, e ele já apaga o cigarro, sem crise. É perigoso se alguém joga a bituca na lixeira, pode pegar fogo. A lixeira do toalete, inclusive, tem um extintor de incêndio pensado justamente para isso, mas é melhor evitar.”

Entre os profissionais ouvidos pela reportagem, a reclamação mais recorrente foi sobre passageiros alcoolizados. “Acontece muito do passageiro embarcar já alcoolizado e querer beber mais durante o voo. Se a pessoa estiver muito agitada, a gente suspende a bebida dela. Quando é assim vamos administrando na conversa, servímos água e refrigerante. A maioria obedece”, contou Nicole W*, comissária de bordo há mais de 20 anos.

Queixas sobre bagagens é outro tema muito citado pelos comissários. “Tem mala que não cabe no compartimento interno, daí encontramos outro espaço para ela na cabine ou então despacha. Mas tem passageiro que quer ficar perto da mala dele, daí reclama, atrasa o voo”, contou a comissária Flávia B.

Assédio e agressão

Em mais de 35 anos de carreira, o comissário Alessandro G tem no currículo um chute na canela, uma cabeçada e uma lista de xingamentos. Flavia B já foi incontáveis vezes ofendida e foi empurrada por um passageiro. Relatos de assédio e agressão de clientes contra tripulantes não são raros da aviação.

“Tive um caso de uma passageira alcoolizada. No final do voo, ela queria mais vinho e ficou insistindo, foi até a galley. O avião estava para descer, ela precisava sentar e afivelar o cinto. Mas insistiu e me deu um chute na canela. Tivemos que segurar ela e algemar”, contou o comissário G.

“Outra situação, após um pouso técnico, o avião ficou parado na pista e precisou esperar por um trator. Estava demorando e um passageiro ficou exaltado, começou a reclamar, levantou, assustou os outros passageiros. Tentamos conversar, mas ele foi agressivo. No meio da confusão, levei uma cabeçada dele. Mas seguramos o sujeito, eu e mais três colegas com ajuda de passageiros, e depois ele foi levado pela polícia”, contou G.

Senhor, por favor coloque a máscara…

Máscara no nariz e na boca, por favor. Senhor, coloque a máscara. Senhora, poderia… “Eu repito isso em todos os voos, há meses. É norma da companhia, temos que avisar”, disse a comissária Nicole W, mencionando o uso obrigatório de máscaras nos voos comerciais, por causa da pandemia de Covid-19.

“Os voos reduziram com a pandemia, mas a confusão nos aviões aumentou, principalmente por causa do uso de máscaras. As pessoas estão agressivas. Não é só aqui, também está acontecendo lá fora”, contou Nicole, que trabalha principalmente em voos internacionais.

Comissário experimente, Alessandro G também comentou sobre o aumento das reclamações dos passageiros durante a pandemia. “Está acontecendo mais frequência, alguns não querem usar a máscara durante o voo e temos que intervir. Já vi até vaia dos outros passageiros contra esses sujeitos”, finaliza.

Tópicos

Mais Recentes da CNN