Samsung investirá US$ 206 bilhões até 2023 para crescimento pós-pandemia

O grupo planeja solidificar a tecnologia e a liderança de mercado por meio de fusões e aquisições

Logo da Samsung
Logo da Samsung 7/1/2013 REUTERS/Rick Wilking

Por Heekyong Yang, da Reuters

Ouvir notícia

O Grupo Samsung investirá 240 trilhões de wones (US$ 206 bilhões) nos próximos três anos para expandir sua presença em biofármacos, inteligência artificial, semicondutores e robótica na era pós-pandemia, afirmou a Samsung Electronics.

A jóia do maior conglomerado da Coreia do Sul disse nesta terça-feira (24) que o investimento até 2023 ajudará a fortalecer a posição global do grupo em setores-chave como a fabricação de chips, enquanto permite que busque oportunidades de crescimento em novas áreas como robótica e telecomunicações de próxima geração.

A Samsung Electronics disse que o grupo planeja solidificar a tecnologia e a liderança de mercado por meio de fusões e aquisições. A companhia não forneceu um detalhamento dos números do investimento.

A empresa não disse se o último investimento inclui os US$ 17 bilhões que ela supostamente gastou em uma nova fábrica de chips de contrato nos Estados Unidos.

O plano é 30% maior do que a estratégia anterior de três anos da Samsung lançada em 2018. O grupo decidiu aumentar o investimento para manter a liderança tecnológica, especialmente durante “situações de emergência” no país e no exterior.

“A indústria de chips é a placa de segurança da economia coreana … Nosso investimento agressivo é uma estratégia de sobrevivência no sentido de que, uma vez que perdemos nossa competitividade, é quase impossível voltar”, disse a Samsung Electronics em um comunicado.

Rivais de chips, incluindo Taiwan Semiconductor Manufacturing e Intel estão fazendo grandes investimentos em meio à escassez global de chips e à intensificação da competição no segmento de chips avançados.

O Grupo Samsung tem 59 afiliados com ativos totalizando 457 trilhões de wones, de acordo com a Comissão de Comércio Justo da Coreia do Sul.

 

Tópicos

Mais Recentes da CNN