Saudi Aramco corta oferta de petróleo para algumas refinarias asiáticas

A maioria dos produtores Opep+ manterá a produção estável em face de novos bloqueios induzidos pelo coronavírus

Estatal saudita decide aumentar a produção mesmo com redução de demanda (12.out.2019)
Estatal saudita decide aumentar a produção mesmo com redução de demanda (12.out.2019) Foto: Maxim Shemetov/File Photo/Reuters

Shu Zhang, Nidhi Verma e Florence Tan, da Reuters

Ouvir notícia

A maior exportadora global de petróleo, Arábia Saudita, cortou o fornecimento de petróleo para carregamento de fevereiro para alguns compradores asiáticos em até um quarto, ao mesmo tempo em que atendia às necessidades de pelo menos quatro outros, disseram na quarta-feira (13) várias refinarias e fontes comerciais com conhecimento do assunto.

Isso ocorre depois que a Arábia Saudita prometeu cortes voluntários adicionais de produção de 1 milhão de barris por dia (bpd) em fevereiro e março sob um acordo entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados, incluindo a Rússia, um grupo conhecido como Opep+.

A maioria dos produtores Opep+ manterá a produção estável em face de novos bloqueios induzidos pelo coronavírus.

Os preços globais do petróleo estão sendo negociados em seus níveis mais altos desde fevereiro, após a decisão da Arábia Saudita.

Duas refinarias do norte da Ásia receberam um corte de 10% no fornecimento da gigante de energia estatal Saudi Aramco, disseram as fontes. As alocações de fevereiro para pelo menos três refinarias indianas foram cortadas entre 15% e 26%, disseram as fontes sob condição de anonimato.

A Saudi Aramco não quis comentar. A Arábia Saudita exportou cerca de 7 milhões de barris por dia de petróleo, dos quais cerca de 70% desembarcou na Ásia no ano passado, mostraram dados da Refinitiv Eikon.

 

Mais Recentes da CNN