Sem auxílio, Brasil terá explosão da pobreza no próximo ano, avalia economista

Em entrevista à CNN, o economista e especialista em contas públicas, Pedro Nery, alertou que manter o Bolsa Família como está até 2022 poderá ser um problema

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desistiu nesta terça-feira (15) do projeto do Renda Brasil, dizendo que durante seu mandato o assunto não voltará a ser discutido.

Em entrevista à CNN, o economista e especialista em contas públicas, Pedro Nery, alertou que sem uma mudança no Bolsa Família ou um novo programa social, o Brasil pode ver a pobreza aumentar no próximo ano.

“Quando o presidente diz que vai manter o Bolsa Família até 2022, ele vai manter os critérios atuais, que são duros em contrapartida aos do auxílio emergencial, que é um programa generoso”, disse Nery.

“Na ausência do auxílio [que termina ao final de 2020], teremos explosão da taxa de pobreza no próximo ano, algo que não observamos há décadas. O presidente vai ter que encontrar uma saída e ter que brigar com algum grupo para atender essa grande parcela da população, já que 67 milhões de brasileiros receberam o auxílio.”

Leia também

‘Cartão vermelho do presidente não foi para mim’, diz Paulo Guedes

Desistência do Renda Brasil traz impacto político a Bolsonaro, diz economista

Renda Brasil: impacto no PIB e volta do liberalismo? O que pensam os economistas

Pedro Nery
O economista Pedro Nery
Foto: CNN (15.set.2020)

Nery diz que a ideia de congelar as aposentadorias já era um tema que vinha sendo discutido no Ministério da Economia, apesar de considerar a proposta ruim. Ele questiona a capacidade de diálogo da pasta. “Observamos a dificuldade de comunicação do ministério sobre suas intenções.”

Reforma administrativa

Outra pauta da entrevista foi a reforma administrativa, enviada pelo governo para o Congresso há algumas semanas, mas que, na avaliação de Nery, não ajuda o governo na abertura de espaço no teto de gastos para a criação de novo programa social.

“A reforma administrativa não impacta os atuais servidores. Esse devia ser o principal foco se o governo quisesse fazer um programa de transferência de renda mais robusto que o Bolsa Família,” avalia.

“Seria ideal que tivéssemos uma liderança no país que comande a discussão sobre programas sociais e funcionalismo público.”

Mesmo com perspectiva negativa, Nery acredita que “momentos de comoção nacional” podem gerar mudanças estruturais para o país.

“Temos a faca e o queijo na mão para avançar na discussão das contas públicas, revertendo privilégios.”

(Edição: Sinara Peixoto)

 

Mais Recentes da CNN