Setor de infraestrutura quer adiar pagamento de PIS/Cofins para atravessar crise

Por meio da Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base), foi criado um comitê para acompanhar o andamento dos projetos no Congresso

Vista geral da Rodovia dos Imigrantes no início de serra
Vista geral da Rodovia dos Imigrantes no início de serra foto-j-f-diorio-1-jan-2013-estadao-conteudo

Da CNN Brasil*, em São Paulo

Ouvir notícia

O setor de infraestrutura tem pedido ao governo para postergar o pagamento de FGTS dos empregados e suspender o recolhimento de PIS e Cofins, para atravessar o período mais agudo da crise causada pelo novo coronavírus. 

Por meio da Abdib (Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base), foi criado um comitê multisetorial para acompanhar o andamento dos projetos no Congresso. “É fundamental que haja coordenação por parte do governo”, diz o presidente da entidade, Venildo Tadini.

Para ele, qualquer mudança deveria ser negociada com as agências reguladoras. Foi o caso da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que, após negociação com distribuidoras, proibiu cortes de luz por três meses e adiou a vigência de reajustes tarifários.

“O que não pode acontecer é a edição de decretos e leis sem as diretrizes ou as definições oficiais das compensações e dos reequilíbrios financeiros às concessionárias.”

Professor do Instituto Brasiliense de Direito Público, o advogado Fernando Meneguin afirma que não cabe ao Estado estabelecer remunerações fixas por lei nem tabelar preços. “A história do Brasil já mostrou que isso não funciona.”

Nos serviços em que há monopólio, ele também diz que cabe às agências negociarem caso a caso, a partir de estudos e planilhas que considerem os custos das empresas. “O consumidor, que tanto se quer defender, vai acabar não tendo acesso ao serviço”, diz Meneguin. 

*Com informações do Estadão Conteúdo

Mais Recentes da CNN