Setor de tecnologia na Índia pode valer US$ 1 trilhão e gerar empregos

Existem quase mil empresa de tecnologia na Índia, das quais 10 são unicórnios, ou startups que valem, pelo menos, US$ 1 bilhão

Freshworks: empresa de SaaS é a mais conhecida da Índia
Freshworks: empresa de SaaS é a mais conhecida da Índia Freshworks/Divulgação

Diksha Madhokdo CNN Business

Ouvir notícia

Mais de duas décadas atrás, a Índia começou sua transformação em uma potência global de TI, inaugurando uma era de riqueza e criação de empregos nunca antes vista no país.

Agora, a terceira maior economia da Ásia está pronta para a próxima grande fronteira em tecnologia: surgindo com uma nova geração de empresas de software como Zoom ou Slack.

A pandemia da Covid-19 forçou as empresas em todo o mundo a fazer grandes investimentos em infraestrutura digital, aumentando a influência das empresas que fornecem software como serviço, ou SaaS.

As empresas gastaram US$ 15 bilhões extras por semana no ano passado em tecnologia, enquanto se esforçavam para criar ambientes de trabalho remotos seguros, de acordo com uma pesquisa da KPMG.

As empresas de SaaS fornecem aplicativos baseados na web que cuidam de tudo, desde a segurança do software até o seu desempenho. Algumas das empresas de SaaS mais conhecidas do mundo incluem Zoom (ZM), SAP Concur e Salesforce (CRM), o gigante americano que possui o aplicativo de mensagens no local de trabalho Slack.

O setor de software como serviço da Índia pode ter um valor de US$ 1 trilhão em 2030 e criar quase meio milhão de novos empregos, de acordo com um relatório recente compilado pela consultoria McKinsey & Co. e SaaSBoomi, uma comunidade de líderes do segmento.

Existem quase mil dessas empresas na Índia, das quais 10 são unicórnios, ou startups que valem, pelo menos, US$ 1 bilhão, disse o relatório.

“Esta pode ser uma oportunidade tão grande quanto a indústria de serviços de TI foi nos anos 90”, disse Girish Mathrubootham, CEO da Freshworks, a empresa de SaaS mais conhecida da Índia. Ela entrou com um pedido de IPO no mês passado, juntando-se a uma série de outros grandes unicórnios de tecnologia indianos que estão se tornando públicos este ano.

A Freshworks foi fundada há mais de uma década na cidade de Chennai, no sul da Índia. Como a Salesforce, ele fornece software para ajudar as empresas a gerenciar as relações com seus clientes.

É também o unicórnio mais antigo da Índia no setor, tendo levantado fundos de investidores como Tiger Global e Accel, e tem mais de 50 mil clientes. A última avaliação da empresa foi de US$ 3,5 bilhões em uma rodada de financiamento de 2019, de acordo com a empresa de dados Tracxn.

Outras empresas indianas de SaaS encontraram tração concentrando-se em negócios de nicho. Zenoti, por exemplo, é um unicórnio que constrói software para a indústria de spas e salões de beleza.

Dos dez unicórnios SaaS da Índia, seis alcançaram esse marco em 2020 e os investidores em todo o mundo estão prestando atenção. No ano passado, os investidores injetaram US$ 1,5 bilhão em empresas de SaaS indianas, quatro vezes mais do que em 2018 ou 2019, de acordo com o relatório SaaSBoomi.

Investidores otimistas

Os investidores estão entusiasmados com o SaaS por causa da “adoção massiva” de software na última década, de acordo com Mohit Bhatnagar, diretor-gerente da Sequoia Capital India.

Embora a Índia seja um pequeno participante no mercado global de SaaS, os investidores dizem que o país pode eventualmente dominar o setor por dois fatores: seu vasto pool de desenvolvedores que falam inglês e o custo relativamente baixo de contratá-los.

Graças ao crescimento da indústria de TI da Índia, a engenharia de software se tornou uma das opções de carreira mais procuradas no país.

“Na verdade, a Índia tem uma das maiores comunidades de desenvolvedores do mundo”, disse Bhatnagar ao CNN Business. Muitos deles trabalharam em algumas das maiores empresas globais de tecnologia.

Abhinav Asthana, cofundador da Postman, apontou sua experiência de trabalho como estagiário no Yahoo em Bengaluru como fundamental na decisão de construir seu produto.

Ele teve a ideia de construir uma ferramenta que simplificasse o processo de teste de API (Interface de Programação de Aplicativo). Uma API é um código de programação que define como dois aplicativos se comunicam entre si, e Postman diz que tornou mais fácil para os engenheiros trabalharem juntos enquanto projetam e constroem suas APIs.

“Vimos como o software foi criado nessas empresas globais e vimos que a API era um problema chave”, disse Asthana.

Agora, Postman é o unicórnio SaaS mais valioso da Índia, com uma avaliação de US$ 5,6 bilhões.

Clientes internacionais, engenheiros indianos

O baixo custo operacional na Índia é uma grande vantagem. De acordo com um relatório da consultoria Bain & Company , o salário dos desenvolvedores de nível básico na Índia é 85% menor do que seus colegas nos Estados Unidos.

“Se você está construindo uma empresa de SaaS nos Estados Unidos, é melhor ter um cliente de um milhão de dólares em vez de um cliente de US$ 10 mil porque você precisa pagar por vendas e marketing naquele país”, disse Prasanna Krishnamoorthy, sócia-gerente da SaaS acelerador Upekkha. “Quando você atende clientes da Índia, pode ter essas empresas de pequeno e médio porte, bem como grandes empresas.”

A maioria das empresas de SaaS se concentra em clientes globais, semelhante à estratégia seguida por gigantes de TI da Índia , como TCS e Infosys (INFY). Os investidores veem isso como uma mudança bem-vinda, já que a maioria dos unicórnios mais antigos da Índia — de Flipkart a Paytm — tem se concentrado principalmente no mercado doméstico.

Quase 98% das empresas Fortune 500 usam os produtos Postman, de acordo com Asthana, enquanto o primeiro cliente da Freshworks estava baseado na Austrália.

As empresas de SaaS estão muito melhor posicionadas para se tornarem globais do que empresas de comércio eletrônico como a Flipkart da Índia, por exemplo. Eles escrevem o software uma vez e podem usá-lo várias vezes.

“Para um Flipkart, você precisa de bilhões de dólares [para crescer internacionalmente], mas para um Freshwork você precisa de muito menos capital para se tornar global”, disse Mathrubootham, que também é um investidor da Postman.

Isso ocorre porque as empresas de comércio eletrônico exigem muito dinheiro para estabelecer operações físicas em outro lugar — elas precisam contratar motoristas de entrega, alugar depósitos e comprar estoque.

Bhatnagar, da Sequoia Capital, disse que os empreendedores indianos de software “dominaram” a arte de “vendas remotas” bem cedo. “Honestamente, nos últimos dois anos, o mundo inteiro teve que entender como fazer melhores vendas remotas”, acrescentou.

Apesar da euforia, existem alguns obstáculos que as empresas indianas precisam superar antes de cumprir a promessa de US$ 1 trilhão.

Os engenheiros indianos treinados na indústria de serviços de TI podem achar difícil desenvolver a disciplina necessária para construir uma empresa focada no produto.

Em serviços de TI, “você está vendendo carrocerias e diz sim a tudo que o cliente pede”, disse Krishnamoorthy. As empresas de SaaS, por outro lado, têm que dizer não a 99% dos clientes [potenciais] , acrescentou.

E o ecossistema de startups da Índia ainda é relativamente imaturo quando comparado ao Vale do Silício. Apesar do enorme tamanho de alguns unicórnios cultivados em casa, Mathrubootham disse que o país não tem uma “marca de produto de tecnologia global”.

Mas ele espera que as futuras empresas de SaaS possam mudar isso.

“É meu sonho pessoal ver a Índia como uma nação produtiva”, acrescentou.

(Texto traduzido. Leia aqui o original em inglês.)

Mais Recentes da CNN