Startup indiana de delivery Zomato é avaliada em até US$ 8 bi para IPO

O app tem 41,5 milhões de clientes e parceria com 350 mil restaurantes e cafés no país; pedidos chegaram a 403,1 milhões em 2020

Foto: Photo Illustration by Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images

Por Abhirup Roy e Savio Shetty, da Reuters

Ouvir notícia

A oferta de ações da startup indiana de entrega de refeições Zomato atraiu demanda de 38 vezes, sinalizando que o mercado está otimista sobre o setor.

O IPO de US$ 1,3 bilhão da Zomato, apoiada pela chinesa Ant, foi o primeiro no setor de entrega de alimentos da Índia. Cotada entre 72 e 76 rúpias por ação, a companhia alcançou uma avaliação de até US$ 8 bilhões.

“Há uma demanda insana e muito entusiasmo”, disse Jimeet Modi, fundador da corretora indiana Samco Securities.

Os investidores apostam na Zomato, embora ela sinalize que seus prejuízos devem crescer à medida que amplia investimentos.

Antes do IPO esta semana, a Zomato captou US$ 562 milhões de grandes investidores financeiros, incluindo nomes famosos como Tiger Global, BlackRock, JPMorgan e Morgan Stanley.

O IPO da Zomato acontece com os mercados da Índia perto das máximas históricas e existe um interesse crescente das empresas digitais em listar em bolsa.

O aplicativo de pagamentos financeiros financiado pelo Alibaba, Paytm, apresentou nesta sexta-feira pedido para um IPO de US$ 2,2 bilhões enquanto o gigante de comércio eletrônico do Walmart Flipkart também planeja listagem.

Assim como o DoorDash dos EUA, a Zomato é principalmente um aplicativo de entrega de comida, tendo parceria com 350 mil restaurantes e cafés em 526 cidades indianas. Também permite que os clientes reservem mesas para jantar, escrevam críticas sobre comida e carreguem fotos.

A Zomato compete com o rival local Swiggy, apoiado pelo Softbank, e o serviço de entrega de comida ainda nascente da Amazon, num mercado de entrega de comida que o Boston Consulting prevê atingir US$ 8 bilhões em 2023, ante US$ 4 bilhões no ano passado.

A app Zomato tem 41,5 milhões de clientes que usam seu serviço todos os meses, e as encomendas na sua plataforma aumentaram para 403,1 milhões no ano 2019-2020, contra 30,6 milhões em 2017-2018, revelou o seu prospecto preliminar.

Enquanto o IPO tem tido forte interesse dos investidores, alguns analistas disseram que as avaliações da empresa são muito altas, especialmente porque a empresa ainda não dá lucro.

Mais Recentes da CNN