Surto de incêndios em fábricas ameaça funcionários e cadeia de suprimentos

Entre os países que registraram o maior número de alertas de incêndio em fábricas ano passado estão os Estados Unidos, Índia e Alemanha

Bombeiros tentam controlar o incêndio que destruiu uma fábrica de plástico em Mayapuri em 16 de setembro de 2021 em Nova Deli, Índia.
Bombeiros tentam controlar o incêndio que destruiu uma fábrica de plástico em Mayapuri em 16 de setembro de 2021 em Nova Deli, Índia. Hindustan Times via Getty Images

Parija Kavilanzdo CNN Business

Ouvir notícia

O desmoronamento da cadeia de suprimentos global foi atribuído a uma infinidade de fatores –a pandemia, escassez de mão de obra e matérias-primas, preços vertiginosos de envio e eventos climáticos adversos entre eles.

Agora, adicione mais um à lista: um surto de incêndios em fábricas.

As interrupções da cadeia de suprimentos no ano passado aumentaram 88% em relação ao ano anterior, de acordo com um relatório da Resilinc, uma empresa líder global em monitoramento e gerenciamento de riscos da cadeia de suprimentos.

As seis principais causas das interrupções, segundo o relatório, foram incêndios em fábricas, fusões e aquisições, vendas de negócios, interrupções na produção, transições de liderança e escassez de suprimentos.

A Resilinc disse que registrou o maior número de incêndios em fábricas em um único ano em 2021 desde que começou a rastrear eventos de incêndio há uma década. A empresa emitiu 1.946 alertas de incêndio de fábrica verificados –um aumento de 129% em relação a 2020– para seus clientes, que incluem gigantes como IBM e GM.

O salto nos incêndios nas fábricas resultou de lacunas na supervisão regulatória e de produção, bem como na escassez de mão de obra qualificada nos armazéns, disse Bindiya Vakil, especialista em gerenciamento de risco da cadeia de suprimentos e CEO da Resilinc.

“Num ano em que a cadeia de abastecimento global já tem vários gatilhos de interrupções, a alta ocorrência de incêndios nas fábricas exacerbou a situação geral”, disse Vakil. “Um incêndio em um fornecedor pode afetar muitas indústrias.”

A pandemia, disse Vakil, provavelmente foi um dos principais contribuintes para níveis de vigilância abaixo do ideal.

“Com menos trabalhadores no local e horas reduzidas, juntamente com algumas funções remotas, coisas como manutenção preventiva e limpeza adequada entre as mudanças de turno foram impactadas”, disse ela.

“Isso pode ser especialmente perigoso em fábricas que possuem materiais perigosos e inflamáveis”.

Entre os países que registraram o maior número de alertas de incêndio em fábricas no ano passado foram Estados Unidos (425), Índia (159), Alemanha (122), Coreia do Sul (117), México (97), Reino Unido (78) e Japão (72), informou Resilinc.

As indústrias mais afetadas pelos incêndios foram a fabricação de automóveis, alimentos e bebidas, aeroespacial, ciências da vida e mobiliário doméstico, segundo o relatório.

Vakil disse que teme que outras interrupções possam continuar a perturbar a cadeia de suprimentos global em 2022. “As coisas podem piorar com o conflito Rússia-Ucrânia”, disse o CEO.

“A Rússia é um importante fornecedor global de várias commodities e matérias-primas.”

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN