TikTok vai pagar direitos autorais de músicas brasileiras

Rede social chinesa confirma acordo com o Ecad

Jairo Nascimento, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O TikTok, um dos principais aplicativos de vídeos do mundo, vai começar a pagar por direitos autorais de músicas no Brasil. A rede social chinesa anunciou um acordo com o Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad).

Em julho, a empresa assinou um contrato com o Ecad para o pagamento de direitos autorais das músicas. O aplicativo não divulga valores nem a quantidade total de usuários no Brasil.

“O Ecad arrecada o valor, identifica as músicas que foram tocadas e distribui para os titulares. Esse é o caminho, são três etapas”, explica a superintendente executiva do Ecad, Isabel Amorim.

No ano passado, o órgão arrecadou mais de R$ 900 milhões. Deste total, R$ 180 milhões vieram de aplicativos de streaming e redes sociais.

No comparativo da arrecadação do Ecad entre 2019 e 2020, houve crescimento de mais de 40% dos meios digitais. O restante foi arrecadado em festas, rádios, televisões e casas noturnas.

O Ecad já arrecada direitos com cerca de 40 meios digitais no Brasil, incluindo o Spotify e o Facebook. Em 2018, o YouTube foi a primeira grande plataforma a fazer os pagamentos, que variam conforme a quantidade de visualizações.

Sucesso depende das músicas

Os vídeos mais vistos no TikTok dependem de uma boa música para fazer sucesso. De acordo com um levantamento, de 10 músicas que bombaram na internet em 2020, sete delas começaram no aplicativo de vídeos curtos.

A diretora do TikTok Brasil, Roberta Guimarães, explica que a escolha do que vai virar um sucesso é dos usuários e são eles que determinam o tamanho dos hits na plataforma. 

“É claro que quando você tem uma comunidade do tamanho da do TikTok é muito provável que coisas novas apareçam. Temos um estudo recente que diz que 75% das pessoas dentro do TikTok descobrem músicas novas todo dia dentro do app”, diz Roberta.

Celular com logo do TikTok
Celular com logo do TikTok
Foto: Shutterstock

 

Mais Recentes da CNN