Tony Blair: Pandemia amplia pobreza na África, mas outros países podem ajudar

Em artigo à CNN, ex-premier britânico defende que nações ricas tenham uma relação menos unilateral e de mais parceria com o continente africano

Mulheres carregam saco de milho recebido de doação em Pretória, na África do Sul 
Mulheres carregam saco de milho recebido de doação em Pretória, na África do Sul  Foto: REUTERS/Siphiwe Sibeko

Tony Blair*,

para o CNN Business

Ouvir notícia

Hoje se reconhece amplamente que na África a pandemia de Covid-19 está em uma trajetória diferente da maior parte do restante do mundo, incluindo o Ocidente.

Mesmo que os níveis relativamente baixos de testes não permitam enxergar o quadro completo, as taxas de mortalidade foram significativamente mais baixas; os sistemas de saúde, embora às vezes cheios, não foram sobrecarregados; e os últimos estudos sorológicos sugerem que embora as taxas de infecção na África tenham sido altas, muitas dessas infecções foram assintomáticas.

Leia também: 
Uma montanha de dinheiro está pronta para a economia global no pós-pandemia
Bolsonaro diz que irá revelar países que compram madeira ilegal da Amazônia

Enquanto isso, no resto do mundo, casos crescentes e a ameaça iminente de uma segunda onda fizeram com que os países da Europa e da Ásia buscassem novas restrições e bloqueios parciais.

Existem várias hipóteses sobre por que e como a África escapou das previsões do pior, incluindo a demografia de uma população jovem, o clima e resistência potencial devido a exposição a outras cepas de coronavírus.

Em um continente diverso, a verdadeira resposta provavelmente será uma combinação de fatores, mas não temos evidências científicas suficientes neste estágio para chegar a conclusões finais.

No entanto, se a África escapou do pior da pandemia em termos de saúde, o mesmo não pode ser dito do impacto econômico da Covid-19, no qual os danos colaterais foram enormes.

O investimento estrangeiro direto diminuiu 40%, prevê-se a perda de cerca de 30 milhões de empregos e até 49 milhões de africanos podem ser empurrados para a pobreza extrema ao perderem seus meios de subsistência no setor informal, já trabalhavam como vendedores ambulantes, motoristas de táxi e outras funções.

As interrupções nos serviços e suprimentos de saúde devido à Covid-19 também devem piorar os resultados de saúde mais amplos. As mortes por HIV, tuberculose e malária podem aumentar em cerca de meio milhão de pessoas.

À medida que os países reabrem, há uma necessidade urgente de avaliar a escala dos danos colaterais causados pelos lockdowns, tanto na África como globalmente, para que os líderes possam fazer as melhores escolhas sobre como reconstruir as economias de seus países.

Ao fazer isso, os líderes africanos devem manter seu compromisso de conter a Covid-19, continuando com testes e isolamento.

Aqui, o Ocidente deve mostrar alguma humildade e reconhecer que, embora o conjunto completo de fatores por trás da mortalidade mais baixa da África ainda não seja conhecido, seus sistemas, instituições e líderes têm, em muitos casos, feito uma diferença crítica.

Após seu primeiro caso confirmado, alguns países da África Subsaariana impuseram medidas de contenção mais rígidas e mais rapidamente do que a média dos países da União Europeia e dos Estados Unidos.

A maioria dos países africanos também adotou políticas abrangentes de rastreamento de contatos e alguns, como Serra Leoa, chegaram ao ponto de supervisionar o isolamento de todos os contatos, independentemente de serem sintomáticos, por 14 dias após a exposição.

Os governos africanos criaram e ajustaram o rastreamento de contatos e as políticas de isolamento que se ajustam aos seus contextos e culturas, aplicando uma lição fundamental sobre a importância de garantir a adesão da comunidade e a aceitação das medidas, aprendida em batalhas anteriores com o ebola e outras doenças.

Embora isso não tenha sido feito de forma perfeita, muitos governos africanos têm sido muito mais bem-sucedidos em garantir o isolamento de contatos de alto risco do que outros, incluindo o do Reino Unido.

Infelizmente, apesar dos números baixos e, em muitos casos, de medidas de controle mais rígidas do que outros países nas listas de seguros da Europa ou do Reino Unido, os países africanos pagaram o preço do desligamento do resto do mundo, com a maioria de sua população sendo tratada injustamente como uma entidade única e arriscada.

Países da União Europeia e o Reino Unido estabeleceram quarentenas de 14 dias e outras restrições de viagens médicas para todos os passageiros que chegam da África, exceto Ruanda (que está na lista de viagens seguras da UE) e Seychelles e Maurício, que têm corredores de viagem seguros com o Reino Unido (os EUA não têm uma abordagem nacional comum para quarentenas e a situação é menos clara lá). Essas medidas correm o risco de agravar os danos econômicos que seus países já sofreram.

As economias africanas são altamente dependentes do comércio e viagens globais, seja para a importação de bens essenciais, a implementação de infraestruturas críticas e projetos de ajuda ou para turismo e viagens de negócios. Como resultado, as medidas correm o risco de agravar os danos econômicos que seus países já sofreram.

Embora o PIB do continente africano não deva cair tanto quanto o de outras economias avançadas, seu rápido crescimento populacional, o grande setor de emprego informal, a incapacidade dos governos de impulsionar a atividade econômica aumentando os gastos do estado e os fracos sistemas de bem-estar social significam que sua população (especialmente a mais pobre) sofrerá um impacto maior, desfazendo o progresso de desenvolvimento de uma década.

Reconectar-se com o mundo e se recuperar economicamente exigirá prova verificável de vacinação ou testes negativos.

Significará garantir a equidade no desenvolvimento e distribuição de vacinas. A Iniciativa Covax – liderada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a Global Vaccine Alliance (GAVI) e a Coalition for Epidemic Preparedness Innovations (CEPI) – está trabalhando para garantir que os países africanos possam ter acesso às vacinas.

Além disso, o modelo atual de abastecimento da África com vacinas produzidas em outros lugares deve ser reconsiderado. Os líderes africanos devem participar do desenvolvimento de novas vacinas, da fabricação de vacinas e ter permissão para implantar as estratégias de vacina certas para sua população.

O clima e as características geológicas de lugares como a África e a Ásia significam que é mais provável que esses locais sejam a fonte de novas espécies virais. Investir em pesquisa e fabricação de vacinas nesses locais, portanto, cria resiliência para o mundo inteiro, não apenas para esses continentes.

Há muito argumentei que o Ocidente precisa reformular sua relação com a África de uma relação de ajuda e comércio extrativo, em que o Ocidente dita amplamente os termos, para uma relação de parceria.

Esta parceria deve ser baseada no desenvolvimento de nações africanas em áreas como comércio e investimento que agregam valor e criam empregos localmente e que aumentam a segurança da África. Essa reformulação pode ser um dos resultados positivos da pandemia.

Devemos estabelecer essa relação agora, na luta contra a Covid-19, valendo-nos da experiência, recursos e energia dos países africanos como parceiros valiosos, não meros beneficiários, garantindo que o continente não seja abandonado enquanto o mundo reabre.

Ao fazer isso, não apenas levaríamos a pandemia a uma conclusão mais rápida e completa, mas também lançaríamos as bases para um mundo mais seguro e próspero.

*NOTA DO EDITOR: Tony Blair foi primeiro-ministro do Reino Unido de 1997 a 2007. As opiniões expressas neste texto são dele.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Mais Recentes da CNN