Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tudo indicava um ano melhor, mas as expectativas foram frustradas, diz economista

    Com desaceleração e problemas na cadeia de produção, 2021 não seguiu os passos da recuperação do segundo semestre de 2020, segundo consultor financeiro

    Marcello Casal Jr./Agência Brasil

    Produção de Priscila Yazbek e Ludmila Candalda CNN

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    Em entrevista à CNN nesta sexta-feira (31), o consultor financeiro Paulo Bittencourt afirmou que as expectativas de retomada econômica em 2021 foram frustradas, após forte recuperação no segundo semestre de 2020.

    “Tudo indicava um ano mais tranquilo, mas isso não foi acontecendo, as expectativas foram frustradas, a economia passou a ter desaceleração, muitas cadeias produtivas com problemas”, disse.

    “Os juros começaram em 2%, mas Banco Central teve que começar a elevar a Selic e a bolsa pesou muito, apesar de alguns setores terem ido muito bem, como os de energia”, acrescentou Bittencourt, depois de fazer um breve resumo sobre o comportamento da economia ao longo do ano.

    Para o consultor financeiro, 2022 não é um ano para iniciar assumindo muitos riscos.

    “Vou seguir com a minha estratégia usada em 2021, de que aquilo que já estava com ganho, foi sendo armazenado com Taxa Selic, esperando uma nova oportunidade. A renda fixa, neste momento, é um bom porto para estacionar”, afirmou.

    “Será um ano desafiador. Eu estou garimpando novas oportunidades, mesmo no mercado de bolsa. Os BDRs continuarão muito bem e, se a taxa de juros começar a recuar, esse dinheiro que está na renda fixa poderá ser colocado novamente em ativos de maior risco”, completou.

    Por fim, Bittencourt disse que tem dúvidas a respeito da inflação, se ela vai ser persistente como mostram as projeções ou se será transitória.

    “Estamos vendo a chuva bem melhor do que se previa no início da primavera, temos os preços dos alimentos, que em grande parte vão reduzir, e o preço do petróleo não está tão pressionado assim. Não sei se a inflação vai ser tão persistente, talvez a gente se surpreenda. Com uma projeção de 5%, talvez ela recue para 4%. Isso é possível”, concluiu.

    Mais Recentes da CNN