Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    União se compromete a responder proposta de estados sobre ICMS até esta quarta

    Na véspera, o ministro Gilmar Mendes promoveu audiência de conciliação entre as partes na tentativa de fechar acordo entre as partes

    Estados e o DF fizeram uma proposta com quatro pontos, entre eles um em que o cálculo do ICMS sobre o diesel esteja vinculado a uma média de cobrança nos últimos 60 meses
    Estados e o DF fizeram uma proposta com quatro pontos, entre eles um em que o cálculo do ICMS sobre o diesel esteja vinculado a uma média de cobrança nos últimos 60 meses 08/11/2016 REUTERS/Paulo Whitaker

    Do CNN Brasil Business*

    Ouvir notícia

    A União se comprometeu a estudar e responder até o fim desta quarta-feira (29) a proposta de acordo dos estados sobre a cobrança do Imposto sobre Circulação de Bens e Serviços (ICMS) dos combustíveis.

    Na véspera, o ministro Gilmar Mendes promoveu audiência de conciliação entre as partes na tentativa de fechar um acordo.

    Na reunião, realizada por videoconferência, os estados e o DF fizeram uma proposta com quatro pontos. Entre eles, está que o cálculo do ICMS sobre o diesel esteja vinculado a uma média de cobrança nos últimos 60 meses.

    Outro ponto defendido por governadores é que a cobrança do imposto sobre operações de fornecimento de combustíveis passe a ser maior do que o cobrado sobre as demais operações de bens e serviços a partir de 2024.

    Os estados também propõem a não vinculação da alíquota modal com o tema da essencialidade, para que não sejam reduzidas as parcelas do Fundo de Combate à Pobreza.

    O encontro aconteceu no âmbito de uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI) aberta pela União para obrigar estados e DF a limitarem suas alíquotas de ICMS sobre combustíveis, conforme regras aprovadas pelo Congresso e sancionadas pelo presidente Jair Bolsonaro.

    O ministro Gilmar Mendes, na abertura da audiência, esclareceu que a “nossa Federação é formada pela união indissociável de todos os Entes Federativos e estamos aqui para debater as suas bases de continuidade”.

    “A arrecadação dos impostos não é um fim em si mesma. Muito pelo contrário, os recursos financeiros existem para fazer frente às inúmeras despesas que decorrem dos direitos fundamentais garantidos em nossa Carta Constitucional”, disse.

    Segundo o ministro, discute-se qual seria a melhor forma de diminuir os preços dos combustíveis no mundo todo.

    “Em ação anterior que debatia a compensação financeira devida pela União aos Estados devido à desoneração das exportações prevista na Lei Kandir), na qual foi possível um formidável acordo com as mesmas partes presentes”, afirmou.

    Ao fim, conclamou a todos a pensarem no povo brasileiro, “que é quem vem sofrendo de forma mais contundente as consequências dos períodos de anormalidades”.

    O governador Paulo Câmara (PSB-PE) criticou a falta de diálogo entre a União e os entes federativos. Já Rui Costa (PT-BA) destacou que a cadeia produtiva dos combustíveis no Brasil é um mercado oligopolizado. “Uma eventual redução de tributo será transferida ao consumidor ou será incorporada como margem de lucro das empresas?”, pontuou.

    A governadora Regina Souza (PT-PI) defendeu uma compensação aos estados com a redução de receitas causada pelas LCs 192 e 194, pois senão haverá uma diminuição dos repasses aos municípios e dificuldades na folha de pagamentos dos servidores.

    Para Ranolfo Vieira Júnior (PSDB-RS), as leis complementares ofendem o pacto federativo e, por isso, pediu uma modulação dos seus efeitos.

    Na avaliação do governador Cláudio Castro (PL-RJ), os estados já fizeram sua parte ao congelar, em novembro do ano passado, o valor do ICMS cobrado nas vendas de combustíveis.

    O presidente do Comitê Nacional de Secretários de Fazenda, Finanças, Receita ou Tributação dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz), Décio Padilha da Cruz, informou que essa medida causou uma renúncia, pelos estados, de R$ 19 bilhões até maio deste ano.

    Também participaram da audiência representantes do Ministério da Economia, da Advocacia-Geral da União (AGU), da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Colégio Nacional de Procuradorias-Gerais dos Estados e do Distrito Federal (Conpeg).

    *Com Gabriela Coelho, da CNN, e Agência Brasil

    Mais Recentes da CNN