Vale oferece R$ 21 bi para encerrar processo de Brumadinho, o que é recusado

O montante foi recusado pelo governo e pelos órgãos de justiça que movem ação bilionária contra a empresa. Uma nova audiência foi marcada para 9 de dezembro

Homenagem às vítimas de Brumadinho: montante oferecido pela Vale foi recusado pelo governo
Homenagem às vítimas de Brumadinho: montante oferecido pela Vale foi recusado pelo governo Foto: Cristiane Mattos/Reuters

Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

O secretário-geral do Estado de Minas Gerais, Mateus Simões, afirmou em entrevista após a audiência de conciliação com a Vale (VALE3) no caso Brumadinho, nesta terça-feira (17) que a mineradora propôs o pagamento de R$ 21 bilhões para encerrar o processo que pede a indenização de danos materiais e morais por conta do rompimento da barragem, em janeiro de 2019.

O montante foi recusado pelo governo local e pelos órgãos de justiça que movem ação bilionária contra a empresa. Uma nova audiência foi marcada para 9 de dezembro.

Leia também:
Minas Gerais rejeita proposta da Vale sobre Brumadinho; empresa pede prazo
Vale se torna uma empresa ‘sem dono’

“Não estamos dispostos a permitir que Brumadinho se transforme numa segunda Mariana (onde houve o desastre da Samarco, em 2015). Esse acordo não vai ser feito para que não seja cumprido ou executado”, afirmou Simões. O depoimento a jornalistas foi postado no Twitter.

Segundo o secretário, o valor apresentado não cobre sequer os danos materiais causados pelo acidente, calculados em R$ 26 bilhões pelo Estado de Minas. Além disso, ainda faltariam valores relativos a danos morais.

Na petição encaminhada à Justiça o governo local, Ministério Público, Defensoria Pública e Advocacia-Geral da União pedem R$ 54,6 bilhões.

“O valor não é o que achamos apropriado e algumas condições colocadas pela Vale também não estamos de acordo. Só discutiremos valores depois que esses temas de organização do acordo forem superados”, disse.

O foco do governo mineiro é garantir que um eventual acerto fechado com a mineradora seja efetivo, factível e de rápida implementação.

Clique aqui para acessar a página do CNN Business no Facebook

Tópicos

Mais Recentes da CNN