Veja quatro dicas de ouro para driblar os reajustes do IGP-M no aluguel

A CNN Brasil reuniu quatro dicas do especialista em mercado imobiliário Arthur Vieira de Moraes para driblar os reajustes do IGP-M

Produzido por Priscila Yazbekda CNN

Ouvir notícia

Foi divulgado nesta quinta-feira (28) o IGP-M, conhecido popularmente por reajustar contratos de aluguel.

Após cair 0,64% em setembro, o índice voltou a subir em outubro, com alta de 0,64%, acumulando alta de 16,74% no ano e de 21,73% em 12 meses.

A CNN Brasil reuniu quatro dicas do especialista em mercado imobiliário Arthur Vieira de Moraes para driblar os reajustes do IGP-M.

1 – Argumentar que aluguel corrigido é mais caro do que um novo

O inquilino pode argumentar que, se o proprietário corrigir o contrato pelo IGP-M, o valor pode ser maior que o de um recém-alugado.

Vale ressaltar que os alugueis novos subiram 2% em 12 meses contra 20% do IGP-M.

Nessa linha, poderia ser uma opção do inquilino, por exemplo, mudar para um apartamento no mesmo prédio que ele mora por um valor mais barato. Esse argumento pode fazer com que o proprietário pense duas vezes antes de corrigir.

2 – Trocar IGP-M (+21,73%) pelo IPCA (+10,34%)

Vale dizer que 60% do IGP-M é de preços ao produtor, que pega a variação de preços de commodities, como minério de ferro, cobre entre outros. Esses produtos são cotados em dólar.

Isso fez com que o índice se descolasse muito do IPCA. Trocar de índice de correção pode ser uma opção.

3 – Tentar um bom acordo entre as partes

Se você é um bom inquilino e paga em dia os aluguéis, pode ser uma vantagem para o dono do imóvel aceitar negociar, evitando assim ficar com o imóvel vazio ou ter um inquilino inadimplente.

4 – Propor um acordo temporário

O acordo pode ser temporário. Pelo menos enquanto o IGP-M e o IPCA estão tão diferentes.

Mais Recentes da CNN