Veja quem viajará na primeira missão de turismo espacial da SpaceX

Serão três passageiros pagantes e um antigo membro da Nasa

Eles viajarão dentro de uma cápsula SpaceX Crew Dragon, a mesma cápsula que a SpaceX já usou para transportar astronautas da Nasa para a ISS
Eles viajarão dentro de uma cápsula SpaceX Crew Dragon, a mesma cápsula que a SpaceX já usou para transportar astronautas da Nasa para a ISS Divulgação/Axiom Space

Jackie Wattlesdo CNN Business

Ouvir notícia

A SpaceX está voltando para a plataforma de lançamento, desta vez para colocar um grupo de quatro cidadãos em órbita para uma viagem inédita à Estação Espacial Internacional (ISS na sigla em inglês).

A viagem foi organizada pela Axiom Space, uma startup privada que está reservando passeios com a SpaceX e coordenando voos para a ISS para quem puder pagar.

Os passageiros desta viagem – que inclui o ex-astronauta da Nasa Michael Lopez-Alegría, que comandará a missão como funcionário da Axiom, e três clientes pagantes – estão programados para decolar do Centro Espacial Kennedy, na Flórida, na sexta-feira às 11h17 ET.

Eles viajarão dentro de uma cápsula SpaceX Crew Dragon, a mesma cápsula que a SpaceX já usou para transportar astronautas da Nasa para a ISS. A cápsula viaja para orbitar no topo de um dos foguetes Falcon 9 de 230 pés de altura da SpaceX.

A cápsula se separará do foguete e voará livremente pelo espaço durante todo o dia de quinta-feira, enquanto a espaçonave se aproxima lentamente da ISS. Ela está programada para atracar na estação espacial por volta das 3 da manhã ET de sexta-feira.

Esta missão, chamada AX-1, marcará a primeira vez na história que cidadãos particulares, ou astronautas não profissionais, serão lançados para a ISS a partir de solo americano.

E é o primeiro do que a Axiom espera que sejam muitos voos semelhantes, para quem puder pagar.

A missão AX-1 também é apenas o segundo voo de turismo espacial da SpaceX, após o lançamento em setembro de 2021 de quatro cidadãos particulares em uma viagem de três dias de voo livre pela órbita que viajou ainda mais alto que a ISS.

Durante sua estada de oito dias na estação espacial, a tripulação do AX-1 deve conduzir alguns experimentos científicos, se alimentar com os astronautas profissionais que já estão a bordo da estação espacial do tamanho de um campo de futebol e desfrutar de vistas deslumbrantes do nosso planeta natal.

Quem está nesta missão?

Lopez-Alegría, 63 anos, fez quatro viagens ao espaço entre 1995 e 2007 durante seu tempo na Nasa. Ele deixou a agência espacial em 2012 e ingressou na Axiom alguns anos depois com o objetivo de voltar ao espaço – mas como astronauta particular e não como membro oficial do corpo.

A Axiom serve como intermediária entre clientes pagantes que desejam fazer uma viagem emocionante de milhões de dólares ao espaço, reservar voos com a SpaceX, lidar com negociações com a Nasa e assumir o treinamento para os futuros viajantes espaciais.

A empresa espera tornar esses voos uma ocorrência regular, já que a agência espacial americana concordou há alguns anos em abrir a ISS para o turismo espacial e outros empreendimentos comerciais.

Não está claro quanto essas viagens custam ao cliente. Embora os preços divulgados anteriormente indicassem que uma viagem à ISS custa US$ 55 milhões por assento, a Axiom se recusou a confirmar esse valor esta semana.

“A Axiom Space não divulga termos financeiros”, disse a porta-voz da Axiom, Bettina Inclan, à CNN Buisness por e-mail.)

Há três clientes pagantes neste voo. Eles são todos homens brancos ricos, continuando uma tendência que assola o setor de voos espaciais comerciais e sua inacessibilidade a faixas mais diversas da população.

A grande maioria das pessoas que até agora conseguiram pagar sua passagem para o espaço – seja em voos da SpaceX ou missões suborbitais como as oferecidas pela Blue Origin – são empresários brancos.

É um indicativo de quão longe está a realidade do prometido sonho de espaço distante que vem de empreendedores que afirmam que o espaço é “para todos” e que a comercialização o “democratizará” em meio à crescente desigualdade de renda.

Com preços tão exuberantes, o espaço permanecerá comercialmente acessível apenas para a elite no futuro próximo.

O magnata imobiliário Larry Connor

Larry Connor, 72, é um magnata imobiliário de Dayton, Ohio. Ele fundou o The Connor Group, que tem empreendimentos em 16 mercados em todo o país e possui mais de US$ 3,5 bilhões em ativos, segundo o site da empresa. Ele é um ávido aventureiro, tendo pilotado carros e escalado montanhas.

Ele também tem experiência como piloto privado e já participou de competições de acrobacias, e será o piloto designado para esta missão. (Deve-se notar que o Crew Dragon da SpaceX é totalmente autônomo, embora os pilotos de voos espaciais treinem para estar preparados para assumir o controle é algo que dá errado.)

“Minha jornada realmente começou sete ou oito anos atrás. Sempre me interessei pelo espaço, e comecei a pensar nisso depois de ler sobre um americano que foi para a Rússia e foi na Soyuz [nave espacial]”, disse ele em entrevista. com a Dayton Society of Natural History no ano passado, depois que seus planos de voar no AX-1 foram revelados.

Connor provavelmente estava se referindo a um dos cidadãos dos EUA que reservou um voo para a ISS através da Space Adventures, uma empresa que garante assentos a bordo da espaçonave russa Soyuz para turistas desde o início dos anos 2000.

Esses voos sempre foram coordenados com a agência espacial russa e incluíram astronautas oficiais russos. A missão AX-1 será a primeira a incluir uma tripulação composta inteiramente por astronautas particulares.

Connor disse que decidiu reservar a missão para “o desafio”. “Vamos realmente treinar de acordo com os padrões de astronautas profissionais”, disse ele.

O ex-CEO de transporte Mark Pathy

Mark Pathy, 52, é o fundador e CEO da empresa de investimentos canadense e family office Mavrik Corp.

O CB Insights, que rastreia investimentos privados, lista apenas um investimento conhecido. Ele apoiou uma startup canadense chamada Ferme d’hiver, que diz que “oferece ferramentas de automação agrícola alimentadas por IA”.

Pathy também é o ex- CEO de uma empresa de transporte, Fednav, que é de propriedade da família Pathy.

Sobre a missão AX-1, Pathy disse à CTV News : “É muito dinheiro. Sinto-me muito afortunado por poder pagar esse tipo de viagem. Obviamente, poucas pessoas podem. Mas ao mesmo tempo não tenho que escolher entre fazer algo assim ou ser filantropicamente ativo.”

Ele acrescentou que ir para o espaço “é um sonho desde que eu era criança e assisti ao Capitão Kirk saltando pelo universo na Enterprise”.

Eytan Stibbe

Eytan Stibbe, 64, é um empresário israelense.

De acordo com sua biografia da Axiom, Stibbe, um ex-piloto de caça da Força Aérea de Israel, fundou a Vital Capital há uma década. Seu site afirma que a empresa investe em companhias envolvidas em setores como alimentos e saúde em áreas em desenvolvimento, principalmente na África, para “oportunidades de alto retorno”.

Axiom diz que a jornada de Stibbe está acontecendo “em colaboração” com a Ramon Foundation, uma organização sem fins lucrativos de educação espacial com o nome do primeiro astronauta de Israel, Ilan Ramon, que morreu no desastre do ônibus espacial Columbia em 2003.

A biografia de Stibbe também diz que ele e Ramon compartilhavam uma amizade “próxima”. Stibbe será apenas o segundo israelense a ir ao espaço.

Ele anunciou sua decisão de se juntar à tripulação do AX-1 em uma cerimônia na residência do presidente de Israel em 2020, e foi recebido com críticas da imprensa israelense, que apontavam supostos negócios no passado de Stibbe, particularmente relacionados a acusações de tráfico de equipamentos militares ​durante sua passagem pelo LR Group, grupo de investimento e desenvolvimento e do qual saiu em 2011, segundo um representante da Stibbe.

Especificamente, os relatórios alegam que Stibbe estava envolvido na venda de aeronaves militares em Angola, que se envolveu em uma brutal guerra civil da década de 1970 até 2002.

As alegações remontam a reportagens do site de notícias israelense Haaretz.

Em uma entrevista na televisão de 2012, que foi conduzida em hebraico e traduzida por agências de notícias israelenses e pela CNN Business, Stibbe também pareceu confirmar seu envolvimento.

“Ajudamos Angola a acabar com a guerra trazendo aviões interceptadores, dois caças Su-27, do Uzbequistão”, disse ele. “A presença deles no país interrompeu os voos que forneciam armas, alimentos e munições e a exportação de diamantes ilegais de Angola. Depois de um, ou um ano e meio, a guerra acabou.”

Um comunicado partilhado com a CNN Business em nome de Stibbe refere que “os negócios do Grupo LR em Angola lidam quase exclusivamente com infraestruturas agrícolas, formação profissional, água, aeroportos e telecomunicações”.

Acrescenta que o Grupo LR “recebeu um pedido do governo [de Angola apoiado pelos EUA] para ajudar a atualizar a sua infraestrutura do espaço aéreo para os padrões internacionais da ICAO” e que as vendas de aeronaves foram feitas “com licenças de exportação e totalmente legais”.

“Além disso, as aeronaves e os radares de controle aéreo foram usados ​​apenas para fins de dissuasão”, diz o comunicado.

O LR Group respondeu em comunicado à CNN Business, dizendo que “o LR Group esteve envolvido nas áreas de saúde, telecomunicações, alimentação, agricultura, energia renovável e água, com o objetivo de desenvolver a independência e o bem-estar econômico e social das populações em todo o mundo.”

“Durante o tempo em que Stibbe era sócio da empresa, era responsável pela operação e financiamento da atividade empresarial da empresa em Angola”, lê-se no comunicado. “Depois que se separou da empresa, comprou em 2012 a atividade em Angola, e continuou a operar lá.”

O Grupo LR está atualmente envolvido em uma disputa legal relacionada a alegações contra Stibbe quando ele era sócio da empresa.

Os representantes de Stibbe se recusaram a comentar sobre a batalha legal.

Quanto à sua decisão de ir para o espaço, Stibbe disse que “quando criança, em noites escuras, costumava observar as estrelas e esperar pacientemente para ver uma estrela cadente, e me perguntei: O que há além do que os olhos vêem?” ele disse.

Com seu lançamento previsto para esta semana, Stibbe logo descobrirá.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN