Vendas de cimento caem 1,6% em setembro, para 5,7 milhões de toneladas, diz Snic

Segundo analises, a venda de cimento por dia útil em setembro (247,7 mil toneladas) houve crescimento de 1,4% sobre agosto deste ano

Acumulado do ano (janeiro a setembro) registrou um total de 49,2 milhões de toneladas vendidas, aumento de 9,7% comparado ao mesmo período do ano passado
Acumulado do ano (janeiro a setembro) registrou um total de 49,2 milhões de toneladas vendidas, aumento de 9,7% comparado ao mesmo período do ano passado Getty Images

Wagner Gomes, do Estadão Conteúdo

Ouvir notícia

As vendas de cimento seguiram em setembro em curva de desaceleração, com queda de 1,6% em relação ao mesmo período de 2020, para 5,7 milhões de toneladas, segundo dados do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (Snic).

Ao se analisar a venda de cimento por dia útil em setembro (247,7 mil toneladas) houve crescimento de 1,4% sobre agosto deste ano e queda de 2% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Segundo o Snic, os principais indicadores de vendas de materiais de construção, particularmente do cimento, continuam desacelerando em virtude da menor renda da população e crescente endividamento das famílias (atingiu 59,9%, o maior valor de toda a série histórica iniciada em 2005), alto nível de desemprego, diminuição do auxílio emergencial e elevação das taxas de juros e Inflação.

O acumulado do ano (janeiro a setembro) registrou um total de 49,2 milhões de toneladas vendidas, aumento de 9,7% comparado ao mesmo período do ano passado.

A leve melhora na demanda do insumo pelas obras de infraestrutura, continuidade das obras e vendas imobiliárias são as principais razões e vetores de consumo do produto.

“O aumento dos lançamentos imobiliários sustenta o desempenho do setor de cimento, mas impõe cautela para o futuro. É fundamental que haja geração de renda e emprego para manter o fôlego da autoconstrução, continuidade dos lançamentos imobiliários e manutenção ritmo de obras para permanecermos com um alto nível de vendas de cimento”, diz Paulo Camillo Penna, presidente do SNIC.

Segundo ele, a infraestrutura, que pode ser um grande indutor do consumo de cimento, ainda permanece com um desempenho abaixo do necessário.

De acordo com o Snic, há uma grande expectativa do início das obras de saneamento, que demandarão agregados, cimento, entre outros insumos.

O sindicato lembra que a carteira de leilões do setor no país segue engordando e começa a produzir a primeira leva de projetos estruturados após a aprovação do novo marco legal do saneamento (lei nº 14.026/2020).

“Na lista atual do BNDES ainda estão previstas mais seis concessões nos próximos meses: dois blocos regionais em Alagoas, um no Rio de Janeiro, dois no Ceará, além da cidade de Porto Alegre (RS). Ao todo, estes contratos deverão somar R$ 16,4 bilhões de investimentos”, diz o Snic.

Mais Recentes da CNN