Youtube removeu mais de 7,8 milhões de canais e 34,7 milhões de vídeos em 2020

O Brasil ocupou o terceiro lugar no ranking de vídeos apagados por país, com o total de 2.954.559, atrás da Índia e dos Estados Unidos

Vista externa dos escritórios do YouTube em Londres, no Reino Unido
Vista externa dos escritórios do YouTube em Londres, no Reino Unido Foto: Toby Melville/Reuters (11.set.2020)

Giulia Alecrim, da CNN Brasil*

Ouvir notícia

 
Em 2020, o Youtube removeu mais de 7,8 milhões de canais, 34,7 milhões de vídeos e 4,8 bilhões de comentários de sua plataforma por violação de diretrizes da comunidade. As informações foram divulgadas no portal “Transparency Report” (“Relatório de Transparência) do Google, que oferece balanços trimestrais. 

Quando um canal é removido do Youtube, todos os vídeos e comentários presentes são automaticamente excluídos. Entre os motivos para o cancelamento dos canais, está o acúmulo de avisos de violação de regras da comunidade, como publicação com spam, conteúdo enganoso e golpes. A quebra desse conjunto de normas causou 85,48% das rescisões em 2020. O último trimestre registrou o maior número de eliminações de canais — 2 milhões —, enquanto o segundo trimestre contabilizou maior número de vídeos apagados, mais de 11 milhões.

As denúncias na categoria segurança infantil, que desrespeitaram o bem-estar emocional ou físico de menores, representaram 53,28% das remoções de vídeos do ano passado. 

 

O Brasil ocupou, em 2020, o terceiro lugar no ranking de vídeos apagados por país, com o total de 2.954.559. Os Estados Unidos e a Índia se revezaram entre primeiro e segundo lugar, a depender do trimestre, acumulando ao final do ano os totais de 5.379.926 e 5.494.333 de vídeos deletados, respectivamente.

Apesar de o número de remoções de canais parecer alto, é menor do que em 2019, quando 12,3 milhões de canais foram deletados majoritariamente por spam. Já o número de vídeos apagados em 2020 é maior do que em 2019 (de 31,9 milhões). 

* Supervisão Giovanna Bronze

Tópicos

Mais Recentes da CNN