Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    123milhas deve responder ao MPF se tem caixa para ressarcir consumidores em dinheiro

    Iniciativa é da Câmara do Consumidor e Ordem Econômica, que "busca compreender a possível alteração unilateral das regras do contrato, em suposta afronta ao Código de Defesa do Consumidor (CDC)"

    Logo da agência de viagens 123milhas
    Logo da agência de viagens 123milhas Divulgação/123milhas

    Pepita Ortega, do Estadão Conteúdo

    O Ministério Público Federal (MPF) oficiou nesta terça-feira (22) o presidente da 123milhas, Ramiro Júlio Soares Madureira, para que a empresa responda se é possível ressarcir em dinheiro os consumidores afetados com a suspensão da ‘linha Promo’ de voos previstos de setembro a dezembro.

    A iniciativa é da Câmara do Consumidor e Ordem Econômica, que “busca compreender a possível alteração unilateral das regras do contrato, em suposta afronta ao Código de Defesa do Consumidor (CDC)“.

    “De acordo com o CDC, é clara a vedação de oferta ao mercado de um produto sem estoque disponível para a venda. Diante do eventual descumprimento dessa regra, exsurge para consumidor o direito de optar pelo cumprimento forçado da obrigação, aceitar outro produto equivalente ou rescindir o contrato com restituição dos valores pagos”, indica o procurador da República Victor Nunes Carvalho.

    A Procuradoria ainda questiona sobre a disponibilização, aos clientes, de vouchers no valor total da compra que eles haviam feito, assim como do uso de mais de um voucher para uma nova aquisição.

    A Procuradoria ressaltou à 123milhas que a opção de reembolso, por meio de voucher, “não pode ser impositiva e nem exclusiva”.

    Também questiona se é viável que a empresa corrija o comunicado acerca da suspensão “linha Promo” com a inclusão da possibilidade do ressarcimento em dinheiro. Se a empresa não adotar a medida, deverá explicar as razões para tanto.

    O órgão ainda quer saber quantas pessoas foram atingidas pela suspensão das passagens promocionais e qual a data mais distante de embarque dos pacotes da “linha Promo” já vendidos. A Procuradoria vai avaliar a margem de risco entre as datas de negociação dos pacotes e do embarque.

    Veja também: Entenda a crise da 123milhas