Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ações da Oi disparam após fim de recuperação judicial

    Oi ON saltava 47,06%, a R$ 0,25, enquanto ação PN exibia alta de 43,18%, a R$ 0,63

    Por Gabriel Araujo e Andre Romani, da Reuters

    As ações da Oi saltavam na bolsa nesta quinta-feira após a Justiça encerrar o processo de recuperação judicial de mais de seis anos da empresa de telecomunicações, tida como “campeã nacional” no setor durante os anos dos governos do PT.

    A Oi, que já chegou a ter ativos em Portugal e na África, fez em 2016 o maior pedido de recuperação judicial do Brasil até então sob peso de cerca de 65 bilhões de reais em dívidas.

    Desde então, a empresa tem promovido um plano de reorganização de suas operações que incluiu venda de sua operadora de telefonia móvel para as três maiores rivais – Telefônica Brasil, Claro e TIM – por 16,5 bilhões de reais.

    Às 12h42, as ações PN da Oi disparavam 63%, para 0,72 real. Os papeis ON mostravam ganho de cerca de 47%, a 0,25 real.

    O encerramento do processo de recuperação judicial foi decretado pela 7ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro na noite da véspera.

    A equipe da Genial Investimentos escreveu que a notícia é positiva, mas que, ainda assim, segue enxergando uma companhia “debilitada financeiramente”.

    “Mesmo com a redução significativa da dívida bruta, (a Oi) ainda deve ter prejuízos pelo resultado financeiro negativo, com apenas um ativo promissor capaz de gerar caixa”, escreveram os analistas, em referência a uma participação minoritária na empresa de fibra ótica V.tal.

    A Guide Investimentos também citou que, apesar de ter sido adiada várias vezes, a conclusão da recuperação judicial ainda não resolveu toda a dívida da empresa.

    “A companhia ainda tem cerca de 22 bilhões de reais em dívidas e credores podem legalmente cobrar o pagamento após o fim da conclusão da recuperação judicial”, disse o analista Gabriel Araujo Garcia.

    A Oi acumulou até o final de setembro prejuízo líquido de 1,6 bilhão de reais em 2022, uma queda ante os 6,7 bilhões negativos registrados no mesmo período de 2021. O caixa disponível caiu 13%, a 3,6 bilhões.