Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ações da Petrobras sobem na expectativa de balanço; veja o que investidores esperam

    Petroleira divulga seu balanço financeiro nesta quinta, após o fechamento do mercado

    Logo da Petrobras em prédio da companhia no Rio de Janeiro
    Logo da Petrobras em prédio da companhia no Rio de Janeiro Logo da Petrobras em prédio no Rio de Janeiro17/07/2023REUTERS/Ricardo Moraes

    Débora Oliveirada CNN

    Na expectativa pela divulgação do resultado do terceiro trimestre deste ano, os papéis da Petrobras operavam em alta na parte da manhã desta quinta-feira (9).

    As ações ordinárias da empresa subiam 1,71% por volta das 12h.

    O balanço da estatal será divulgado logo mais, no fechamento do mercado, e vem depois dos números operacionais do período, quando a petroleira apresentou uma alta de 9,1% na produção média de óleo, GNL e gás natural em relação ao trimestre anterior.

    “Nossa expectativa é relativamente positiva porque o preço do petróleo subiu consideravelmente de julho a setembro em comparação com o segundo trimestre desse ano e a Petrobras reportou sólidos resultados operacionais, fruto do aumento de produção da companhia”, é o que explica Frederico Nobre, analista de ações na Warren.

    A combinação de produção forte e alta do barril do petróleo Brent pode contribuir para um avanço nas receitas da Petrobras no terceiro trimestre em relação ao período anterior.

    Esses foram os fatores que contribuíram para que a estatal atingisse o maior valor de mercado na história em 18 de outubro (R$ 525 bilhões), apesar dos descontos no preço da ação devido ao pagamento de dividendos robustos pela companhia desde o ano passado.

    Frederico, que acompanha de perto o setor de petróleo, diz que todos os olhares dos investidores estarão no fluxo de caixa livre, já que é a partir daí que a empresa deve definir o volume dos dividendos.

    Cautela dos investidores

    Mesmo com as ações acumulando alta no ano, nem tudo são flores na Petrobras porque segundo especialistas do setor, ainda não saiu do radar dos investidores o sentimento de desconfiança com a nova política de preço dos combustíveis, a política de remuneração de proventos e a governança corporativa da empresa.