Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ações da Nike disparam após balanço com aumento de 17% na receita

    Em setembro, a empresa disse que seus estoques aumentaram 44%, para quase US$ 10 bilhões no final do primeiro trimestre

    Enquanto os níveis de estoque no final do segundo trimestre caíram cerca de 3% sequencialmente, as margens caíram 300 pontos-base devido a maiores promoções e descontos
    Enquanto os níveis de estoque no final do segundo trimestre caíram cerca de 3% sequencialmente, as margens caíram 300 pontos-base devido a maiores promoções e descontos REUTERS/Lucy Nicholson

    da Reuters

    As ações da Nike registraram nesta quarta-feira (21) alta de 10%, com picos de 15% ao longo do dia, com os investidores minimizando a pressão sobre as margens da gigante de roupas esportivas e concentrando-se nos esforços da empresa para resolver os problemas de estoque que afetaram os negócios nos últimos trimestres.

    Pelo menos 15 corretoras elevaram seus preços-alvo para as ações da fabricante de material esportivo depois que a empresa divulgou resultados trimestrais melhores do que o esperado na terça-feira (20), beneficiando-se de descontos mais altos e forte demanda na América do Norte.

    “O desempenho da Nike no segundo trimestre prova que a marca continua forte, os condutores de margem estão intactos e a demanda global está saudável”, disse Randal Konik, analista da Jefferies, que estava entre os mais otimistas e aumentou seu preço-alvo em US$ 25, para US$ 140.

    Em setembro, a empresa disse que seus estoques aumentaram 44%, para quase US$ 10 bilhões no final do primeiro trimestre, e alertou para margens mais fracas, alimentando temores em todo o setor de que os consumidores estivessem cortando gastos discricionários devido à inflação.

    “Acreditamos que o pico de estoque ficou para trás, pois as ações que estamos tomando no mercado estão funcionando”, disse o presidente-executivo da Nike, John Donahoe, em uma teleconferência na terça-feira.

    Enquanto os níveis de estoque no final do segundo trimestre caíram cerca de 3% sequencialmente, as margens caíram 300 pontos-base devido a maiores promoções e descontos.

    Ainda assim, o declínio foi menor do que o esperado, segundo analistas, graças também a novos produtos com preços mais altos, como o LeBron 20s e os tênis Nike Mercurial.

    “A Nike ofereceu promoções, mas, ao mesmo tempo, também impulsionou novos produtos sem as promoções”, disse Jessica Ramirez, analista da Jane Hali & Associates.

    As vendas da Nike na América do Norte aumentaram 30%, enquanto na China –onde o negócio estava se recuperando dos lockdowns– caíram apenas cerca de 3%, após uma queda de 16% no primeiro trimestre.

    “Vemos a Nike como uma ação discricionária obrigatória em (2023)”, disse o Credit Suisse.

    As ações da empresa, que caíram cerca de 38% este ano, atingiram uma alta de seis meses de 119,18 dólares no início do pregão.