Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Aliados do governo reconhecem que MP do Carf perderá validade antes de projeto ser votado

    Medida provisória foi encaminhada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, como uma forma de aumentar a arrecadação do governo federal

    O projeto ainda não está próximo de ser votado e a MP perde validade em 1º de junho deste ano
    O projeto ainda não está próximo de ser votado e a MP perde validade em 1º de junho deste ano André Corrêa/Agência Senado

    Gabriel Hirabahasida CNN

    Em Brasília

    Integrantes do governo e da base de apoio ao Palácio do Planalto no Congresso se conformaram que a medida provisória (MP) que restituiu o chamado “voto de qualidade” do Conselho de Administração de Recursos Fiscais (Carf) perderá a validade sem que o projeto de lei sobre o assunto seja votado.

    O “voto de qualidade” é um voto de desempate que prioriza a União em empates nos julgamentos do Carf. O conselho é formado por integrantes do Estado e da sociedade.

    O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) derrubou a regra e instituiu, por medida provisória, que todos os empates seriam decididos a favor do contribuinte (ou seja, contra o governo).

     

     

    A MP do Carf foi encaminhada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, como uma forma de aumentar a arrecadação do governo federal. Diante da dificuldade de aprovação, o governo decidiu deixar a medida provisória de lado e enviar um projeto de lei sobre o assunto.

    O projeto, porém, ainda não está próximo de ser votado e a MP perde validade em 1º de junho deste ano. Lideranças partidárias da base do governo ouvidas pela CNN sob reserva reconhecem que a medida provisória perderá validade e que não há tempo hábil para a votação do PL até lá.

    Com isso, a mudança no Carf deve ser desfeita e, consequentemente, retomada a regra antiga criada por Bolsonaro.

    Nos cálculos da atual equipe econômica, o “voto de qualidade” tem o potencial de arrecadar até R$ 50 bilhões para os cofres públicos. Em tempos de discussão do novo marco fiscal, que estabelece metas fiscais ousadas para o governo, deixar de receber esses recursos seria uma derrota para o governo Lula (PT).

    O governo já encaminhou ao Congresso Nacional, no início deste mês, o projeto de lei para regulamentar o “voto de qualidade”. A proposta tramita em caráter de urgência, mas só travará a pauta do plenário da Câmara em junho, quando o dispositivo já terá perdido validade com o fim do prazo da medida provisória.