Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Americanos ricos estão gastando menos; entenda como isso afeta a economia global

    Gastos dos 20% mais ricos representaram quase 40% dos gastos totais do consumidor nos Estados Unidos em 2020, de acordo com dados do Bureau of Labor Statistics

    Nicole Goodkinddo CNN Business

    em Nova York

    Após um período de angústia, os americanos parecem estar se sentindo um pouco melhor em relação à economia.

    O índice de confiança do consumidor do Conference Board para agosto, programado para ser divulgado ainda nesta terça-feira (30), deve aumentar 1,8 pontos para 97,5, de acordo com analistas do Goldman Sachs. Isso ocorre após três meses consecutivos de quedas.

    Enquanto isso, os resultados finais da pesquisa de opinião do consumidor da Universidade de Michigan deste mês mostraram um grande aumento nas perspectivas para o próximo ano.

    Isso pode soar como uma ótima notícia. Mas um olhar mais atento aos números mostra um quadro mais preocupante. O problema é que os americanos ricos não são tão animados, e isso pode sinalizar mais problemas futuros para os mercados e a economia em geral.

    “Os consumidores de alta renda, que geram uma parcela desproporcional dos gastos, registraram grandes quedas tanto em suas finanças pessoais atuais quanto nas condições de compra de bens duráveis”, escreveram pesquisadores de Michigan.

    Os gastos dos 20% mais ricos representaram quase 40% dos gastos totais do consumidor nos Estados Unidos em 2020, de acordo com dados do Bureau of Labor Statistics. E os gastos do consumidor são o motor mais importante do crescimento econômico dos EUA.

    Claro, pode haver uma diferença entre como as pessoas dizem que se sentem e o que elas realmente fazem. Mas, neste caso, estamos começando a ver algum impacto real.

    Analistas do Bank of America Institute descobriram que os gastos totais com cartão de crédito por família (excluindo mantimentos, gás e roupas) para consumidores que ganham mais de US$ 125.000 se contraíram por três meses consecutivos, mantendo-se bastante resilientes para o consumidor de baixa renda.

    Há outros sinais de que os ricos estão negociando para baixo. O CFO do Walmart, John David Rainey, disse à CNBC no início deste mês que os compradores estavam comprando menos itens discricionários de alta margem, como roupas, porque a inflação estava fazendo com que desembolsassem mais para as necessidades.

    Ele também, curiosamente, observou que cerca de três quartos dos ganhos de participação de mercado do Walmart no segundo trimestre em alimentos vieram de clientes com renda familiar anual de US$ 100.000 ou mais.

    Clientes de alta renda também estão trocando restaurantes mais caros por mais econômicos, como Applebee’s e IHOP.

    As vendas nas duas redes, ambas de propriedade da Dine Brands, cresceram cerca de 6% a 8% entre as famílias que ganham mais de US$ 75.000 por ano no segundo trimestre, segundo o CEO da Dine, John Peyton.

    O aumento “sugere-nos que os hóspedes que costumam jantar em restaurantes mais caros estão encontrando o Applebee’s e o IHOP por causa de sua posição de valor bem conhecida”, disse Peyton durante uma ligação com analistas no início do mês.

    Isso pode parecer positivo para empresas que estão bem posicionadas para se beneficiar dessas mudanças de hábitos. O problema é que o sentimento entre os consumidores de baixa renda normalmente fica atrás do sentimento de renda mais alta, o que significa que uma desaceleração maior pode estar a caminho.

    “Em uma economia que é 60% impulsionada por serviços, você pode ver com que facilidade essa perspectiva de gastos em um grupo restrito de pessoas com renda tem um efeito maior em um grupo maior de americanos”, Marvin Loh, macro estrategista global sênior da State Street, disse. “Esta é a definição de trickle-down.”

    Isso não é um bom presságio para ações de empresas que vendem itens que as pessoas querem, mas não necessariamente precisam. Nomes como Amazon, Home Depot e LVMH ajudaram a impulsionar o setor de suas baixas de meados de junho, subindo quase 30% até meados de agosto antes de voltar a cair.

    O setor caiu vertiginosamente depois que o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, indicou que haveria “dor” à frente, já que o banco central dos EUA continua sua política de aperto.

    “Os ganhos que vimos nas últimas seis semanas não fizeram muito sentido para mim”, disse Loh.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original