Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após ataque cibernético, hospital nos EUA usa prontuários de papel por semanas

    Administradores do hospital já começaram a colocar alguns dados clínicos nos registros médicos eletrônicos dos pacientes

    Esse é mais um exemplo de como os incidentes de hacking continuaram a prejudicar os hospitais à medida que a pandemia de coronavírus se arrasta
    Esse é mais um exemplo de como os incidentes de hacking continuaram a prejudicar os hospitais à medida que a pandemia de coronavírus se arrasta Krisanapong Detraphiphat/Getty Images

    Sean Lyngaasda CNN

    Uma rede de três hospitais no Brooklyn, bairro de Nova York (EUA), teve que trabalhar em gráficos de papel por semanas após um ataque cibernético em seus sistemas de computador no final de novembro, disse o executivo-chefe do grupo hospitalar à CNN na segunda-feira (19).

    O hackeamento afetou “aplicativos clínicos”, incluindo “aqueles usados para imagens e outros serviços críticos”, mas muitos desses aplicativos foram restaurados, disse o CEO da One Brooklyn Health, LaRay Brown, em um e-mail.

    É um exemplo de como os incidentes de hacking continuaram a prejudicar os hospitais à medida que a pandemia de coronavírus se arrasta – e de como a recuperação dos hackers pode ser meticulosa e perturbadora para a equipe do hospital.

    Um membro da equipe da Brookdale disse ao New York Times que, por causa do hack, o diagnóstico por imagem no centro médico teve que ser enviado a um fornecedor terceirizado, em vez de feito internamente.

    “Nenhum paciente foi afetado adversamente”, disse Brown à CNN em um e-mail na segunda-feira, acrescentando que os hospitais permanecem abertos aos pacientes.

    Continuamos a prestar assistência aos nossos pacientes usando procedimentos de inatividade para os quais nossos médicos e administradores foram treinados.”

    Mais de 80% das estações de trabalho de computador que os médicos e funcionários do One Brooklyn Health usam para apoiar as operações do hospital foram restauradas, disse Brown. Os administradores do hospital começaram a colocar alguns dados clínicos nos registros médicos eletrônicos dos pacientes, acrescentou.

    Brown não respondeu a perguntas sobre se o One Brooklyn Health estava lidando com um ataque de ransomware, que bloqueia os sistemas de computador até que um resgate seja pago. Mas muitos outros hospitais em todo o país tiveram que lidar com tais tentativas de extorsão.

    Um administrador de TI em um hospital de 100 leitos na Flórida contou à CNN como desligou os sistemas de computador da instalação em janeiro para evitar que um ataque de ransomware se espalhasse por todo o hospital.

    Muitos hospitais em áreas rurais ou pobres não têm recursos para defender suas redes contra hackers.

    “Não se pode permitir que a segurança cibernética e a resiliência ultrapassem os limites socioeconômicos”, disse Joshua Corman, que ajudou a liderar uma força-tarefa na Agência de Segurança Cibernética e Infraestrutura dos EUA para proteger a pesquisa de coronavírus contra hackers. “A maioria dos hospitais dos EUA é rica em alvos, mas pobre em termos cibernéticos.”

    A segurança cibernética de redes de computadores que podem afetar a segurança humana “precisa se tornar uma prioridade nacional”, disse Corman, agora vice-presidente da empresa de segurança cibernética Claroty.

    *Sarah Boxer da CNN contribuiu para esta reportagem

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original