Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após explosão de drive-thrus, cidades dos EUA se mobilizam para evitar congestionamentos e acidentes

    Estima-se que 200.000 restaurantes com essa opção estejam espalhados por todo o país

    Em redes líderes, como o McDonald's, o modelo responde por 70% das vendas ou mais. nos EUA
    Em redes líderes, como o McDonald's, o modelo responde por 70% das vendas ou mais. nos EUA Reprodução/ McDonald's

    Nathaniel Meyersohnda CNN

    Nova York

    Os Estados Unidos são uma terra de drive-thrus.

    Estima-se que 200.000 drive-thrus estejam espalhados por todo o país. Os norte-americanos visitam as pistas de drive-thru aproximadamente 6 bilhões de vezes por ano.

    Em redes líderes, como o McDonald’s, o modelo responde por 70% das vendas ou mais.

    Os drive-thrus prometem aos motoristas famintos facilidade, conveniência e um hambúrguer suculento. Mas longas filas de carros esperando por pedidos se transbordam pelas ruas dos Estados Unidos em todos os estados de redes como Chick-fil-A, McDonald’s, Starbucks e Dunkin’.

    E autoridades municipais, planejadores urbanos e críticos dizem que o modelo está falhando nas cidades modernas.

    Ímãs de trânsito e congestionamento, os drive-thrus desencorajam a caminhada, o uso do transporte público e as visitas a empresas de bairro.

    Eles também levam a acidentes com pedestres, ciclistas e outros carros, e contradizem as metas ambientais e de habitabilidade de muitas comunidades.

    Várias cidades e regiões querem que a expansão pare: os legisladores de Atlanta votarão neste verão se devem proibir novos drive-thrus na popular área de Beltline.

    Mineápolis; Fair Haven, Nova Jersey; Creve Coeur, Missouri; Orchard Park, em Nova York, e outras cidades proibiram novos drive-thrus nos últimos anos.

    Algumas cidades no sul da Califórnia, como Long Beach, em 2019, aprovaram moratórias temporárias bloqueando novos empreendimentos.

    Restrições também foram consideradas em Pittsburgh, Pensilvânia e Mesa, Arizona.

    Os drive-thrus não “apoiam nada da vida, vitalidade e comodidades que sugerem que as pessoas podem querer vir morar, trabalhar ou se divertir em um bairro”, disse David Dixon, pesquisador de áreas urbanas da empresa de design e planejamento Stantec.

    “Os drive-thrus pertenciam a um mundo muito mais automotivo.”

    Terra do drive-thru

    Drive-thrus apareceram pela primeira vez na Califórnia na década de 1950, de acordo com o Smithsonian. Um dos primeiros Jack in the Box foi um sucesso entre as crianças, que podiam pedir sua refeição pela cabeça de um palhaço.

    O modelo de comer no carro se expandiu nas estradas americanas durante as décadas seguintes, à medida que as rodovias foram construídas, os subúrbios se espalharam e novas redes de fast-food, como o McDonald’s e o Wendy’s, surgiram.

    O drive-thru se tornou um bote salva-vidas para as redes durante a pandemia de Covid-19, quando os restaurantes fecharam as áreas de consumo internas.

    As vendas de drive-thru atingiram US$ 133 bilhões em 2022, um aumento de 30% em relação aos níveis pré-pandêmicos de 2019, de acordo com a Technomic, uma empresa de consultoria do setor de restaurantes.

    Shake Shack e Sweetgreen abriram seus primeiros locais drive-thru durante a pandemia, enquanto Taco Bell, Chipotle e outras redes abriram lojas que atendem exclusivamente clientes neste modelo.

    As empresas mudaram para os modelos drive-thru porque são mais lucrativos: menores do que os restaurantes com áreas de consumo, exigindo menos funcionários e manutenção.

    Eles fazem mais sentido em áreas centradas em carros, e há muitos drive-thrus posicionados longe do tráfego de pedestres ou bicicletas.

    Mas os drive-thrus geralmente estão localizados “exatamente no pior lugar para eles estarem” para a segurança no trânsito, disse Eric Dumbaugh, professor do departamento de planejamento urbano e regional da Florida Atlantic University, que estuda segurança no trânsito.

    Muitas vezes, eles são colocados intencionalmente ao longo de vias arteriais de alta velocidade — estradas movimentadas que transportam carros de uma região em alta velocidade — para chamar a atenção dos motoristas.

    Isso significa que se houver um pedestre ou motociclista em um cruzamento ou calçada, os motoristas têm menos tempo para frear, aumentando as chances de um acidente.

    Os motoristas que se deslocam por vias arteriais também costumam se concentrar na estrada e nos carros ao seu redor, e menos propensos a ficar atentos aos pedestres.

    Drive-thrus também podem ser pontos para colisões traseiras e acidentes.

    As empresas “não estão prestando atenção às considerações de segurança de suas decisões de design”, disse Dumbaugh. E os governos locais defendem a segurança dos pedestres, mas ainda permitem esses usos em vias arteriais, disse ele.

    Mais faixas, mais congestionamento

    As empresas dizem que estão mudando seus drive-thrus adicionando mais pistas de carros e tecnologia, como inteligência artificial (IA) para acelerar os pedidos e reduzir possíveis problemas.

    A Starbucks disse à CNN que está consciente das comunidades em que suas lojas estão e [quer] “apresentar o tipo certo de loja para as necessidades dessa comunidade”.

    A Starbucks está testando diferentes modelos de lojas em diferentes áreas, como lojas somente para retirada, retirada de carros na calçada e drive-thrus.

    Mas as redes que tentam resolver o congestionamento adicionando mais faixas apenas incentivam a entrada de mais carros. Os acidentes são tão comuns que advogados especializados em danos pessoais em todo o país anunciam especificamente para pessoas feridas em drive-thrus.

    Especialistas dizem que a segurança do pedestre pode ser melhorada gerenciando rigidamente o acesso ao longo das vias arteriais e localizando os drive-thrus longe delas.

    Drive-thrus também não oferecem suporte a empresas locais, disse Dixon, da Stantec, já que as pessoas normalmente apenas pegam sua comida e vão embora.

    Um modelo de fast-food melhor e mais seguro nessas áreas são restaurantes e bares com opções de áreas de consumo que contribuem para bairros caminháveis, disse ele, ou no primeiro andar de prédios de vários andares.

    As cidades reagem

    O vereador da cidade de Atlanta, Jason Dozier, propôs um projeto de lei este ano para bloquear novos drive-thrus em torno do Atlanta Beltline, uma trilha para pedestres ao longo de um corredor ferroviário de 35 quilômetros.

    Espera-se que a Câmara Municipal de Atlanta vote no projeto de lei em agosto.

    O projeto de lei de Dozier foi uma resposta às mortes de pedestres na área.

    Desde 2015, 14 pedestres morreram e 47 ficaram gravemente feridos em acidentes de carro na área de Beltline, disse ele. Mais da metade dessas mortes ocorreram nos últimos dois anos.

    “É um momento muito assustador para os pedestres na cidade”, disse Dozier. “Precisamos ter certeza de que podemos projetar comunidades em torno da segurança de pedestres.”

    Em Sugar House, um bairro em Salt Lake City, a comissão de planejamento propôs a proibição de novos empreendimentos drive-thru em distritos comerciais depois que moradores reclamaram que o movimento estava bloqueando calçadas, ciclovias e faixas de carro nas ruas.

    “Ele coloca o veículo na frente e no centro. Isso vai contra o plano principal da Sugar House de promover um centro da cidade percorrível, de uso misto”, disse Levi Thatcher, presidente do Comitê de Transporte da Sugar House.

    Charlotte tem tido problemas com estradas congestionadas por causa de carros transbordando de Chick-fil-A e de outras pistas de drive-thru de fast-food nas ruas durante os horários de pico nos últimos anos.

    “Nosso amor por batatas fritas e waffle está levando a problemas de tráfego ainda maiores nas estradas movimentadas de Charlotte”, disse uma reportagem de TV do WCNC em 2019.

    Charlotte tem um plano de longo prazo para se tornar uma cidade menos voltada para carros por meio de investimentos em trens e outros transportes públicos.

    Construir restaurantes drive-thru em áreas cada vez mais densas está em conflito com esses objetivos, disse Keba Samuel, presidente da Comissão de Planejamento de Charlotte.

    “Quanto mais drive-thrus você constrói, mais centrado no carro você se torna — em oposição a algo que tem mais opções de mobilidade”, disse ela.

    “Não faz sentido ter esse investimento multibilionário em veículos leves sobre trilhos e ainda incentivar um ambiente centrado em automotivos. É contraditório.”

    No entanto, o Conselho da Cidade de Charlotte aprovou recentemente novos drive-thrus da Chick-fil-A e Bojangles perto de estações de transporte público.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original