Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Atividade empresarial da zona do euro em outubro aumenta evidências de recessão

    Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) Composto da S&P Global caiu para 47,1 de 48,1 em setembro em sua leitura preliminar

    Outubro foi o quarto mês abaixo da marca de 50 que separa crescimento da contração e marcou a leitura mais baixa desde novembro de 2020
    Outubro foi o quarto mês abaixo da marca de 50 que separa crescimento da contração e marcou a leitura mais baixa desde novembro de 2020 17/11/2021. REUTERS/Fabian Bimmer

    Por Jonathan Cable, da Reuters

    A zona do euro está provavelmente entrando em recessão uma vez que a atividade empresarial se contraindo no ritmo mais rápido em quase dois anos neste mês, já que a crise do custo de vida mantém os consumidores cautelosos e diminui a demanda, mostrou uma pesquisa nesta segunda-feira (24).

    As fábricas têm sido particularmente afetadas pelo aumento dos preços da energia, enquanto as cadeias de fornecimento ainda se recupera da pandemia do coronavírus e devido ao golpe da invasão russa da Ucrânia.

    O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) Composto da S&P Global caiu para 47,1 de 48,1 em setembro em sua leitura preliminar, abaixo da expectativa de 47,5 em pesquisa da Reuters.

    Outubro foi o quarto mês abaixo da marca de 50 que separa crescimento da contração e marcou a leitura mais baixa desde novembro de 2020.

    “Os PMIs preliminares de outubro fornecem ainda mais evidências de que a zona do euro está deslizando para uma recessão bastante profunda, mas que as pressões inflacionárias continuam intensas”, disse Andrew Kenningham, da Capital Economics.

    A inflação na zona do euro atingiu um recorde de 9,9% em setembro, segundo dados divulgados na semana passada, e com os preços subindo acentuadamente a demanda enfraqueceu consideravelmente, levando o índice composto de novos negócios para uma mínima de quase dois anos.

    Para tentar combater a inflação em quase cinco vezes sua meta, o Banco Central Europeu começou a aumentar as taxas de juros e a expectativa é de novo aumento de 0,75 ponto percentual na qunta-feira.

    O PMI de serviços do bloco caiu para 48,2 em relação aos 48,8 de setembro, em linha com a pesquisa da Reuters, mas o ponto mais baixo em 20 meses.

    O PMI de indústria recuou de 48,4 para 46,6, seu valor mais baixo desde maio de 2020 e abaixo de todas as previsões da pesquisa da Reuters.

    Alemanha

    O PMI composto da Alemanha, que engloba os setores industrial e de serviços, caiu de 45,7 em setembro para 44,1 em outubro, atingindo o menor nível em 29 meses e permanecendo abaixo da barreira de 50 que sinaliza contração da atividade, segundo dados preliminares divulgados nesta segunda-feira pela S&P Global.

    Apenas o PMI industrial alemão recuou de 47,8 para 45,7 no mesmo período, tocando o menor patamar em 28 meses e vindo bem abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam queda a 47,1.

    Já o PMI de serviços da Alemanha diminuiu de 45 em setembro para 44,9 em outubro, seu menor nível em 29 meses, mas em linha com o consenso do mercado.

    Reino Unido

    Já o PMI composto do Reino Unido caiu de 49,1 em setembro para 47,2 em outubro, atingindo o menor nível em 21 meses e permanecendo abaixo da barreira de 50 que sinaliza contração da atividade.

    A prévia de outubro ficou bem abaixo da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam queda do PMI composto a 48,7.

    Apenas o PMI de serviços do Reino Unido diminuiu de 50 para 47,5 no mesmo período, tocando igualmente o menor patamar em 21 meses e sinalizando que o setor saiu da estagnação e passou a se contrair. O consenso do mercado era de recuo bem menor, a 49,5.

    Já o PMI industrial britânico caiu de 48,4 em setembro para 45,8 em outubro, atingindo o menor nível em 29 meses. Neste caso, a projeção era de leve redução a 48,2.