Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ator de Hollywood preso: entenda por que investidores continuam caindo em golpes

    Especialistas alertam que esquemas de pirâmide, conhecidos nos EUA como Ponzi, podem se tornar mais comuns com o recente impulso de criptomoedas e NFTs

    Zachary Horwitz ladeado pelos advogados Ryan Hedges, à esquerda, e Anthony Pacheco, foi condenado a 20 anos de prisão por esquema Ponzi
    Zachary Horwitz ladeado pelos advogados Ryan Hedges, à esquerda, e Anthony Pacheco, foi condenado a 20 anos de prisão por esquema Ponzi Gary Coronado/Getty Images

    Allison Morrowdo CNN Business*

    em Nova York

    A história de Zachary Horwitz ganhou as manchetes nesta semana depois que ele foi condenado a 20 anos por fraudar investidores em US$ 650 milhões ao vender falsos acordos de licenciamento com a HBO e a Netflix.

    Ironicamente, é bem o tipo de história suculenta de vigarista que você pode assistir nessas plataformas: Horwitz, um ator de 35 anos que teve pequenos papéis em um punhado de filmes de baixo orçamento na última década, se declarou culpado no outono passado por cometer fraude de títulos federais e executar uma operação ilegal, um esquema de pirâmide conhecido, nos Estados Unidos, como Ponzi.

    Durante anos, dizem os promotores, Horwitz usou o dinheiro de seus investidores para financiar um estilo de vida luxuoso de Hollywood – até que seu golpe foi desvendado.

    Entenda o esquema Ponzi

    Em suma, um esquema de pirâmide Ponzi é um tipo de fraude financeira que usa dinheiro de novos investidores para pagar os anteriores.

    O termo vem do vigarista Charles Ponzi de 1920, mas, nos últimos anos, tornou-se sinônimo dos crimes de Bernie Madoff, o cérebro por trás da maior fraude financeira da história, que morreu na prisão no ano passado.

    Embora os esquemas Ponzi tenham uma longa história, eles estão longe de ser uma ameaça passada, dizem os especialistas. Na verdade, eles continuam sendo um grande risco para os investidores em uma era de mercados de ações em alta e surtos selvagens em ativos de última geração, como NFTs e criptomoedas.

    “Os fraudadores realmente se alimentam de tempos de incerteza, dificuldades financeiras, turbulências, tempos de mudança, e esses são os tempos em que vivemos nos últimos anos”, diz Kathy Bazoian Phelps, advogada que administra um blog sobre esquemas de pirâmide.

    “E é claro que há muito dinheiro por aí que as pessoas estão querendo investir.”

    O caso de Horwitz parece gabaritar as principais características de um esquema Ponzi: eles são tipicamente perpetrados por (a) homens (b) que prometem retornos constantemente altos com risco mínimo e (c) muitas vezes se aproveitam de amigos e familiares para tirar o golpe do papel.

    Os primeiros investidores em um esquema Ponzi são recompensados ​​com dividendos espantosamente grandes – Horwitz supostamente prometeu retornos entre 25% e 45% – que os impulsionam a contar aos outros sobre a oportunidade de ouro, que mantém o dinheiro novo fluindo para o golpe.

    Uma vez que a fonte de novos investimentos seca, é claro, a fraude desmorona.

    Nasce uma fraude

    Os promotores dizem que Horwitz, que atende pelo nome artístico de Zach Avery, prometeu a seus investidores – muitos dos quais eram amigos – que seu dinheiro seria usado para comprar direitos de distribuição de filmes que ele licenciaria para plataformas de streaming com lucro.

    “Mas, como suas vítimas vieram a saber, Horwitz não era um empresário de sucesso ou um insider de Hollywood”, disseram os promotores. “Ele só brincou de ser um na vida real.”

    A empresa de Horwitz “não adquiriu direitos de filmes, nem teve nenhum acordo de distribuição com a HBO ou a Netflix”. Ele forneceu documentos falsos a seus investidores.

    A HBO, como a CNN americana, faz parte da WarnerMedia.

    Horwitz, em vez disso, encaminhou os fundos para suas próprias contas, desembolsando US$ 5,7 milhões em uma casa e gastando em viagens a Las Vegas em jatos particulares, de acordo com uma queixa apresentada pela Securities and Exchange Commission.

    Não é difícil imaginar como um investidor pode ser sugado para tal golpe na era dos comícios de ações de memes e milionários de criptomoedas da noite para o dia. O medo de perder uma oportunidade de ouro é uma ferramenta poderosa para vigaristas.

    Kathy Phelps, que escreveu “O Livro Ponzi: Um Recurso Legal para Desvendar Esquemas de Pirâmide”, em tradução livre, diz que as pessoas geralmente confiam demais no boca a boca sem a devida diligência para determinar se um investimento é legítimo.

    Isso pode ser especialmente real quando se trata de esquemas envolvendo criptomoedas ou inteligência artificial.

    “Tudo o que é preciso é que alguém represente que tem o algoritmo proprietário que garante retornos e isso soa muito técnico, sofisticado e certeiro”, disse ela.

    “Isso é confortável para as pessoas, porque alguém sabe tecnicamente do que está falando, supostamente, e o resultado é um retorno garantido muito maior do que algo que eles encontrarão em outro lugar”.

    De fato, a SEC está particularmente preocupada que o aumento das criptos “pode ​​atrair fraudadores para atrair investidores para Ponzi e outros esquemas”, em parte prometendo aos investidores uma oportunidade de “entrar no piso térreo de um fenômeno crescente da Internet”.

    A agência citou um caso de 2013 no qual um suposto esquema Ponzi anunciou uma “oportunidade de investimento” em bitcoin em um fórum online. Os investidores receberam a promessa de juros de até 7% por semana e que seus fundos seriam usados ​​para arbitragem de bitcoin.

    Em vez disso, os fundos criptográficos foram usados ​​para pagar os investidores existentes e trocados em dólares americanos para pagar as despesas pessoais do organizador.

    Mesmo investidores profissionais podem ser vítimas de fraude, observa Phelps, mas existem várias maneiras de evitar ser enganado.

    O primeiro passo é simplesmente estar atento ao potencial de fraude. “Eu nem tenho certeza se isso passa pela cabeça das pessoas”, disse ela.

    Além disso, os investidores precisam fazer perguntas de due diligence, tomar cuidado com promessas de retorno garantido sem risco e ficar atento a retornos maiores do que os provavelmente encontrados no mercado.

    “Se você não consegue entender o que é o investimento após uma explicação de cinco minutos”, diz Phelps, “você provavelmente não deveria investir nele”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original