Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Barômetro econômico adverte que recessão nos EUA pode ocorrer em breve

    Um número crescente de líderes empresariais concorda que economia do país está piorando

    Bandeira dos Estados Unidos
    Bandeira dos Estados Unidos Paul Weaver/Unsplash

    Alicia Wallaceda CNN

    Mineápolis

    Um barômetro chave para a saúde da economia continua a piscar um sinal de alerta de recessão, indicando que uma desaceleração está reservada para os EUA em um futuro próximo. Um número crescente de líderes empresariais concorda que a economia dos EUA está piorando.

    A América não está em uma recessão oficial – ainda não, pelo menos – mas o índice econômico líder do Conference Board caiu pelo 10º mês consecutivo, reduzindo 1% em dezembro para 110,5, de acordo com um relatório divulgado segunda-feira pelo think tank de negócios. Os economistas esperavam um declínio de 0,7%, segundo a Refinitiv.

    Em média, o índice atinge o pico cerca de um ano antes de uma recessão, segundo o Conference Board. O índice parece ter atingido o pico em fevereiro de 2022, observou o instituto.

    “Houve uma fraqueza generalizada entre os principais indicadores em dezembro, indicando condições deterioradas para os mercados de trabalho, manufatura, construção de moradias e mercados financeiros nos próximos meses”, disse Ataman Ozyildirim, diretor sênior de economia do Conference Board, em comunicado.

    Sete dos 10 componentes do índice caíram em dezembro, e a trajetória do LEI continua sinalizando uma recessão, conforme o relatório.

    “É provável que a atividade econômica geral se torne negativa nos próximos trimestres antes de se recuperar novamente no último trimestre de 2023”, disse Ozyildirim.

    O árbitro oficial de uma recessão é um painel de economistas do National Bureau Economic Research, que leva em consideração uma série de indicadores econômicos antes de tomar uma decisão – o que às vezes pode ocorrer depois que uma recessão já começou.

    Mas cerca de 52% dos economistas entrevistados pela National Association for Business Economics acreditam que há mais de 50% de chance de os EUA entrarem em recessão este ano, de acordo com a última pesquisa de condições de negócios da NABE divulgada na manhã de segunda-feira.

    “Pela primeira vez desde 2020, mais entrevistados esperam uma queda, em vez de aumento, do emprego em suas empresas nos próximos três meses”, disse Julie Coronado, presidente da NABE, no relatório. “Menos entrevistados do que nos últimos anos esperam que os gastos de capital de suas empresas aumentem no mesmo período.”

    A atividade econômica dos EUA mostrou sinais de desaceleração nos últimos meses, com o Federal Reserve desencadeando uma enxurrada de aumentos nas taxas de juros para reduzir a inflação.

    As autoridades do Fed dizem que estão vendo progresso na inflação, mas que a política monetária restritiva – e futuras altas – continuarão a ocorrer.

    A próxima reunião de dois dias do comitê de definição de taxas do Fed começa em 31 de janeiro. As expectativas são de que o banco central aumente as taxas em um quarto de ponto, segundo a ferramenta CME FedWatch.

    Antes dessa reunião, o Fed terá dados econômicos adicionais para revisar: os dados do PIB do quarto trimestre e o relatório de Despesas de Consumo Pessoal (que contém o medidor de inflação preferido do Fed) serão divulgados quinta e sexta-feira, respectivamente.

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original