Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Catho e Let’s Code oferecem bolsas para curso de programação voltado às mulheres

    Serão disponibilizadas 25 vagas para 8 meses de aulas gratuitas; inscrições para o processo seletivo vão até o dia 6 de fevereiro

    As mulheres têm menos acesso ao estudo de carreiras em ciência, tecnologia, engenharia e matemática, segundo pesquisadores
    As mulheres têm menos acesso ao estudo de carreiras em ciência, tecnologia, engenharia e matemática, segundo pesquisadores Getty Images

    Fabrício Juliãodo CNN Brasil Business

    em São Paulo

    As empresas Catho e Let’s Code estão realizando um processo seletivo para preencher 25 vagas de um curso gratuito de tecnologia voltado às mulheres.

    As inscrições tiveram início nesta terça-feira (18) e vão até o dia 6 de fevereiro. Para se inscrever, as mulheres devem ter concluído o ensino médio e possuir mais de 18 anos. Elas podem realizar a inscrição por meio de um link.

    O processo envolverá testes de lógica, avaliação de vídeos e dinâmicas. As finalistas serão divulgadas no dia 28 de março.

    “O setor de tecnologia infelizmente ainda é dominado pelos homens e, na Catho, não é diferente. Prezamos pela igualdade e queremos mudar esse cenário. Por isso, acreditamos que proporcionar uma qualificação para mulheres entrarem nesse mercado é o começo de um movimento necessário”, afirmou Patricia Suzuki, CHRO da Catho.

    O curso terá início no dia 4 de abril, com duração de 8 meses. Durante este período, as alunas vão aprender a programar na prática com aulas ao vivo e online.

    “Também vamos contratar 15 dessas mulheres que finalizarem o curso para não somente capacitá-las, mas abrir as portas do mercado de trabalho para elas”, acrescentou.

    De acordo com pesquisa realizada pela Catho, as mulheres representam apenas 19% dos profissionais de tecnologia.

    Felipe Paiva, CEO da Let’s Code, afirmou que o objetivo do curso é capacitar essas profissionais para promover o empoderamento feminino no mercado de trabalho e mudar este cenário.

    “Ter mulheres que saibam programar de verdade é essencial para esse mercado”, disse o executivo.