Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Cervejarias do Reino Unido reduzem o teor alcoólico das bebidas, mas sem diminuir os preços

    Pressões inflacionárias sobre matérias-primas e custos de embalagem motivaram a mudança sem a manutenção dos preços; fenômeno é conhecido como "reduflação" em português

    Anna Coobanda CNN

    Os cervejeiros do Reino Unido estão cortando o teor de alcoólico – mas não o preço – de várias de suas cervejas mais populares, no que foi descrito como outro exemplo de “reduflação” (“shrinkflation” em inglês), termo usado quando os produtos diminuem de tamanho ou quantidade, enquanto os preços se mantém os mesmos ou aumentam.

    A Greene King, uma grande cervejaria e rede de pubs do Reino Unido, cortou o ABV, ou teor alcoólico, de sua popular cerveja Old Speckled Hen pale ale de 5% para 4,8%, disse um porta-voz de Greene King à CNN.

    Em março, a cervejaria mais antiga do país, Shepherd Neame, reduziu o ABV de suas cervejas Spitfire e Bishops Finger engarrafadas para 4,2% e 5,2%, respectivamente, de 4,5% e 5,4%, disse um porta-voz.

    O jornal Mail on Sunday, que publicou uma investigação no domingo, disse que as cervejarias mantiveram o tamanho de suas garrafas e latas intactas, com a mesma quantidade de líquido, mas reduziram a quantidade de álcool.

    Ele disse que essa “drinkflation” refletia a “shrinkflation” – prática de produtoresEm março, a cervejaria mais antiga do país, Shepherd Neame, reduziu o ABV de suas cervejas Spitfire e Bishops Finger engarrafadas para 4,2% e 5,2%, respectivamente, de 4,5% e 5,4% de alimentos e supermercados de reduzir o tamanho de seus produtos sem cortar preços.

    Como, de acordo com a lei do Reino Unido , as cervejarias pagam menos impostos sobre bebidas com menor teor alcoólico, o jornal afirmou que as empresas embolsaram essa economia em vez de repassá-la aos clientes por meio de preços mais baixos.

    Mas o porta-voz de Greene King disse à CNN que a redução do ABV simplesmente ajudou a compensar alguns de seus custos crescentes, após anos de “pressões inflacionárias sobre matérias-primas, custos de embalagem e preços de energia”.

    Cortar o ABV “diminui o [imposto] que pagamos sem afetar visivelmente o sabor da cerveja”, disse o porta-voz.

    O porta-voz da Shepherd Neame disse à CNN que havia reduzido o teor ABV de suas cervejas para “expandir seu apelo”, já que os consumidores estavam “escolhendo cada vez mais bebidas com menor teor alcoólico como parte de um estilo de vida saudável”.

    O porta-voz também disse que a cervejaria viu “aumentos significativos” no custo de suas matérias-primas, como energia e vidro, e, como resultado, aumentou os preços de todas as suas cervejas.

    Em janeiro, a cervejaria holandesa Heineken reduziu o teor ABV da Foster’s maior – que vende no Reino Unido – de 4% para 3,7%.

    Um porta-voz dos negócios da cervejaria no Reino Unido disse à CNN que o fez porque “os consumidores estão escolhendo cada vez mais produtos com baixo ABV como parte de um estilo de vida equilibrado”, mas acrescentou que experimentou “aumentos de custo sem precedentes”.

    Inflação teimosa

    Emma McClarkin, executiva-chefe da British Beer and Pub Association, disse que, apesar do arrefecimento da inflação no Reino Unido , as empresas “ainda estão sentindo muito o aperto” e estão simplesmente encontrando maneiras de absorver custos mais altos.

    “Os cervejeiros enfrentaram aumentos crescentes de preços nas cadeias de suprimentos nos últimos dois anos e, na medida do possível, absorveram custos para evitar que os clientes pagassem mais caro por sua cerveja”, disse McClarkin.

    A inflação dos preços ao consumidor no Reino Unido continua alta, atingindo 8,7% em abril . A inflação caiu nos últimos meses, mas ainda está mais alta do que em qualquer outro país do Grupo dos Sete.

    O ex-governador do Banco da Inglaterra, Mark Carney, disse ao jornal The Daily Telegraph na sexta-feira que o Brexit foi um “aspecto único” da economia do Reino Unido que ajudou a explicar por que sua inflação permaneceu tão alta.

    “Definimos antes do Brexit que [ele criaria] um choque negativo de oferta por um período de tempo e a consequência disso seria uma libra mais fraca, inflação mais alta e crescimento mais fraco”, disse ele.

    Carney disse que não gostava de dizer “nós avisamos”, já que milhões de britânicos comuns estavam pagando o preço.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original