Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    China está começando a parecer menos assustadora para os investidores

    Apesar de uma longa lista de riscos políticos, trata-se da segunda maior economia do mundo - lar de um grande grupo de consumidores e a expansão mais rápida da classe média da história

    Bandeira da China em Pequim
    Bandeira da China em Pequim Reuters / Thomas Peter

    Julia Horowitzdo CNN Business

    Para os investidores, o apelo da China sempre foi claro. Apesar de uma longa lista de riscos políticos, é a segunda maior economia do mundo – lar de um grande grupo de consumidores e a expansão mais rápida da classe média da história.

    Mas nos últimos 12 meses, houve uma mudança significativa.

    O que está acontecendo: há um ano, o Ant Group interrompeu sua tão aguardada estreia no mercado de ações após uma reunião entre o bilionário cofundador Jack Ma e reguladores chineses.

    Nos meses que se seguiram, Pequim intensificou os esforços para conter o poder de algumas das empresas mais poderosas do país, desde o gigante de compras online Alibaba até a plataforma de compartilhamento de caronas Didi. A campanha eliminou trilhões de dólares em valor de mercado.

    Essa repressão forçou os administradores de capitais a fazer perguntas difíceis. A principal delas: o mercado ainda é a aposta do blockbuster que eles pensaram que seria?

    A apreensão permanece sobre o que o presidente Xi Jinping fará a seguir, enquanto ele busca uma campanha nacional pela “prosperidade comum”. Mas depois de um ano tumultuado, parte da ansiedade está passando.

    “O sentimento está começando a se recuperar com sinais de que Pequim está tentando encontrar um equilíbrio entre estabilizar o crescimento e buscar ajustes estruturais”, disse Mark Haefele, diretor de investimentos do UBS Global Wealth Management, em nota aos clientes esta semana. “Acreditamos que as ações chinesas estão perto do fundo do poço agora.”

    No último trimestre, as ações chinesas sofreram seu pior período de três meses desde 2015, caindo mais de 18%, observou Haefele. Mas em outubro, o índice MSCI China subiu 3%, encerrando quatro meses consecutivos de perdas. As ações da Alibaba, que foram particularmente afetadas, aumentaram quase 15%.

    A mudança de humor pode ser atribuída em grande parte às expectativas de que o governo chinês moderará os esforços para reformar as empresas privadas para evitar o agravamento de uma retração econômica.

    A produção do país cresceu em seu ritmo mais lento em um ano no último trimestre, expandindo apenas 4,9%. Em comparação com o trimestre anterior, a economia cresceu apenas 0,2% no período de julho a setembro – um dos trimestres mais fracos desde que a China começou a publicar tais recordes em 2011.

    Uma pesquisa do governo sobre a atividade manufatureira divulgada no fim de semana caiu pelo segundo mês consecutivo. Também há preocupações de que o enorme setor imobiliário do país possa ceder sob suas enormes dívidas.

    Isso está aumentando as expectativas de que os legisladores agirão agressivamente para injetar estímulos na economia para ajudá-la a se estabilizar.

    Mas as nuvens não se dissiparam totalmente. Haefele observa que “a volatilidade do mercado de curto prazo pode permanecer alta”. Na pesquisa mais recente do Bank of America com gestores de fundos globais, a situação na China foi identificada como o segundo maior risco de mercado, atrás apenas da inflação.

    Crise de energia no radar

    Uma crise de energia que atinge a China pode ditar como a situação se desenvolverá. O mesmo poderia acontecer com sua abordagem para lidar com a pandemia Covid-19.

    À medida que os países ao redor do mundo se abrem gradualmente, a China ainda está trabalhando para erradicar a Covid-19 de dentro de suas fronteiras.

    Na noite de domingo, a Disneylândia de Xangai entrou em um bloqueio repentino após um único caso confirmado. Dezenas de milhares de visitantes e funcionários foram forçados a se submeter a testes de coronavírus antes de serem autorizados a deixar o parque.

    Texto traduzido. Clique aqui para ler o original