Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Chinesa Shein importa influenciadores dos EUA e enfurece consumidores nas redes

    Grupo foi convidado para visitar uma fábrica modelo no país, como parte de um tour patrocinado pela empresa

    Shein está entre uma série de empresas fundadas na China que agora enfrentam problemas
    Shein está entre uma série de empresas fundadas na China que agora enfrentam problemas Reuters/Chen Lin

    Ramishah Marufda CNN

    Nova York

    Um grupo de influenciadores e criadores de moda dos Estados Unidos recebeu críticas negativas online após visitar uma fábrica modelo na China como parte de um tour patrocinado pela Shein, uma gigante das compras pela Internet, e publicar avaliações excelentes.

    A Shein está entre uma série de empresas fundadas na China que agora enfrentam problemas, incluindo como é capaz de vender produtos a preços tão baixos, quão transparente é com o público sobre suas práticas trabalhistas e quanto lixo ambiental gera.

    Em meados de junho, os influenciadores viajaram para a megacidade de Guangzhou, no sul da China, para ver o “centro de inovação” da empresa, uma instalação iluminada e espaçosa com cortadores de tecido de alta tecnologia e robôs que transportam materiais.

    Trabalhadores sorridentes confeccionavam roupas enquanto o grupo visitava a fábrica, com alguns visitantes até testando algumas das tarefas.

    Kenya Freeman, uma estilista que vendeu roupas na Shein, viajou para a China e Cingapura, onde Shein agora está sediada, como parte da viagem e compartilhou vídeos em sua conta no Instagram.

    A reação foi rápida, com muitos comentários criticando a compreensão dela e de outros influenciadores sobre os supostos abusos dos direitos humanos da empresa e o impacto ambiental do “fast fashion”. Os comentaristas online questionaram por que o grupo se alinharia com o que eles alegavam ser valores antiéticos.

    A quantidade de ódio online era “sem precedentes”, disse Freeman à CNN, e estava afetando sua saúde mental.

    “Não consegui nem entrar no Instagram ontem”, disse a designer de Atlanta, acrescentando que não estava defendendo a empresa nem era responsável por suas ações.

    Freeman, que trabalhou pela primeira vez com Shein em 2019, disse que a gigante do “fast fashion” era uma corda salva-vidas para pequenas empresas, especialmente aquelas com fundadores de comunidades marginalizadas.

    Em um comunicado, Shein disse que os vídeos de mídia social postados pelos influenciadores eram autênticos.

    “A Shein está comprometida com a transparência e esta viagem reflete uma maneira pela qual estamos ouvindo o feedback, oferecendo uma oportunidade de mostrar a um grupo de influenciadores como a Shein trabalha por meio de uma visita ao nosso centro de inovação e permitindo que eles compartilhem suas próprias reflexões com seus seguidores,” disse.

    Críticas do Congresso

    Shein tem desfrutado de sua popularidade particularmente com a Geração Z porque anuncia fortemente em aplicativos como o TikTok, cultiva relacionamentos próximos com influenciadores e mantém os preços baixos durante um período de inflação historicamente alta.

    Mas sua ascensão meteórica veio com julgamentos, especialmente porque as relações entre os Estados Unidos e a China se deterioraram.

    Em abril, uma comissão do Congresso dos EUA disse que Shein, a super loja online Temu e outras na China estavam potencialmente ligadas ao uso de trabalho forçado, exploração de brechas comerciais, riscos à segurança de produtos ou roubo de propriedade intelectual.

    Os legisladores iniciaram um esforço bipartidário em maio instando a Comissão de Valores Mobiliários a exigir que Shein certificasse que seus produtos não usavam trabalho forçado de trabalhadores pertencentes ao grupo étnico uigur, uma minoria predominantemente muçulmana na China cujo tratamento foi objeto de condenação mundial por anos.

    Eles citaram um relatório da Bloomberg de 2022 que afirmava que as roupas vendidas pela Shein nos Estados Unidos continham algodão de Xinjiang, uma área no oeste da China onde vivem muitos uigures e outras minorias étnicas.

    Os Estados Unidos proibiram todas as importações da região de Xinjiang devido a preocupações com o uso de trabalho forçado.

    Dani Carbonari, uma influenciadora e modelo plus-size que viajou com Freeman, procurou explicar em um post no Instagram na segunda-feira porque ela se juntou à viagem. Ela disse que se juntou à viagem para abordar os “rumores” que assolam a empresa.

    Ela excluiu uma postagem anterior no Instagram na qual dizia que Shein estava “lutando com todo o seu poder não apenas para nos mostrar a verdade, mas continuar a melhorar e ser o melhor que pode ser”.

    As postagens de outros influenciadores na viagem continham linguagem semelhante. Alguns disseram que conversaram com os trabalhadores da fábrica e ficaram impressionados pelas condições.

    “Eu esperava que esta instalação estivesse tão cheia de pessoas trabalhando como escravos, mas na verdade fiquei agradavelmente surpresa ao ver que muitas dessas coisas eram robóticas”, disse Destene Sudduth, que tem 384 mil seguidores no Instagram, em seu vídeo.

    Shein enfrentou escrutínio por suas práticas de sustentabilidade. Cerca de 85% das roupas acabam em aterros sanitários ou são queimadas, de acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Especialistas dizem que moda barata e de baixa qualidade só agrava o problema.

    Shein diz que seu modelo de negócios permite reduzir o desperdício e a superprodução através da produção de pequenos lotes. Ela diz que só encomenda lotes maiores de fábricas em sua rede de suprimentos se a demanda for demonstrada.

    A empresa estabeleceu uma meta de reduzir as emissões em 25% até 2030, com base nos números de 2021.

    Kelly Kellen, professora adjunta de marketing da Aurora University, disse que, embora os influenciadores estejam no topo do marketing para a Geração Z, eles ainda precisam e querem transparência.

    “A Geração Z está descascando a cebola e eles estão dizendo ‘Qual é o propósito desta marca?’”, disse ela.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original