Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Com pandemia, BC vê alta de crédito bancário de 4,8% para 7,6% em 2020

    De acordo com a autarquia, o aumento na estimativa é reflexo do maior volume de empréstimos desde meados de março, consequência dos impactos da pandemia

     
      Foto: Bruno Rocha/Fotoarena/Estadão Conteúdo

    Anna Russi

    do CNN Brasil Business, em Brasília

    O Banco Central (BC) atualizou suas projeções oficiais para o mercado de crédito brasileiro em 2020. A previsão é de que o saldo de crédito este ano tenha alta de 4,8% para 7,6%.A nova estimativa já leva em consideração os impactos da pandemia da Covid-19 na economia. O número faz parte do Relatório de Economia Bancária (REB), divulgado pelo BC nesta quinta-feira (4).

    Normalmente, a projeção para o crédito é divulgada no Relatório Trimestral de Inflação, no entanto, o BC antecipou a atualização da previsão por conta da “mudança expressiva na conjuntura” em meio à pandemia. 

    De acordo com o BC, o aumento na estimativa é reflexo do maior volume de empréstimos desde meados de março, consequência dos impactos da pandemia. “Em especial, a aceleração de concessões repercute, principalmente, a busca por recursos por parte de empresas face à redução dos fluxos de caixa.

    Leia também:
    Banco Central facilita regras para financiamentos imobiliários
    Imprimir dinheiro é saída para a crise? Assunto divide ex-presidentes do BC

    Ressalte-se, adicionalmente, que o movimento também está influenciado pelos efeitos das medidas que abrangeram o mercado de crédito, buscando mitigar danos econômicos causados pelo surto de Covid-19”, diz o relatório.

    A expectativa para o avanço do crédito livre neste ano passou de 8,2% para 10,6%. Já no caso de recursos direcionados, a projeção foi de zero para alta de 3,5%.

    Concentração de crédito 

    O documento concluiu ainda que a concentração bancária registrou leve recuo em 2019. Os cinco maiores bancos do país – Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco, Caixa Econômica Federal e Santander – detinham, em dezembro do ano passado, 83,7% do total das operações de todas as operações de crédito no segmento bancário brasileiro. No mesmo período do ano anterior, o percentual era de 84,8%. 

    No final do ano passado, as cinco instituições financeiras eram responsáveis, também, por 83,4% dos depósitos no final do ano passado, ante 83,8%, em 2018.

    “A redução da participação dos principais bancos públicos federais foi, em alguma medida, acompanhada por um aumento na concentração entre as instituições privadas, mas não o suficiente para aumentar a concentração total”, explicou o BC.

    Clique aqui e siga o perfil do CNN Brasil Business no Facebook