Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Com presenças de Lula, Alckmin e Dilma, Mercadante toma posse no BNDES nesta segunda (6)

    Presidente da República quer que instituição tenha mais "paciência e competência" para emprestar dinheiro aos governadores

    Aloizio Mercadante será presidente do BNDES
    Aloizio Mercadante será presidente do BNDES Ton Molina/Fotoarena/Estadão Conteúdo - 08.dez.2022

    Da CNN

    Aloizio Mercadante assume a presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) nesta segunda-feira (6), em cerimônia que contará com as presenças do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), do vice Geraldo Alckmin (PSB) e da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

    A cerimônia acontece às 10h, no Teatro Arino Ramos Ferreira, na sede do banco, no Rio de Janeiro.

    O conselho de administração do BNDES havia aprovado o nome de Mercadante para o cargo no dia 25 de janeiro. Anteriormente, um despacho do Tribunal de Contas da União (TCU) deu aval à nomeação.

    Havia incertezas quanto à nomeação devido à Lei das Estatais, que restringe a nomeação para conselhos de administrações ou diretoria de estatais, incluindo a presidência, de “pessoa que atuou, nos últimos 36 (trinta e seis) meses, como participante de estrutura decisória de partido político ou em trabalho vinculado à organização, estruturação e realização de campanha eleitoral”.

    Mercadante foi coordenador do programa de governo do presidente Lula durante a campanha eleitoral. Entretanto, vinha afirmando que esse trabalho se deu de forma voluntária e se restringiu a trabalho intelectual.

    Entre os integrantes da diretoria do BNDES anunciados estão Tereza Campello, Natalia Dias e Helena Tenorio, Alexandre Corrêa Abreu, José Luis Gordon, Nelson Barbosa Filho e Luiz Navarro.

    “Paciência e competência”

    O presidente Lula afirmou em reunião com governadores no dia 27 de janeiro que o BNDES voltará a ser um banco de desenvolvimento e ajudará os estados.

    Para isso, conforme avaliou o chefe de Estado, é preciso que a instituição tenha “paciência e competência” para emprestar dinheiro aos governadores.

    “O dinheiro que o BNDES captar tem que ser repartido com pequenas, médias e grandes empresas, com governadores e prefeitos dependendo da qualidade e importância das obras”, acrescentou Lula.

    Em outra oportunidade, Aloizio Mercadante defendeu a “reindustrialização” do país e que a carteira de indústria do BNDES seja ampliada.

    Além disso, destacou que estão “construindo o BNDES do futuro”, e que não trarão a instituição “do passado”.

    *Publicado por Tiago Tortella, da CNN, com informações do Estadão Conteúdo, Reuters, Ana Carolina Nunes e Lucas Schroeder, da CNN