Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Comércio fica menos otimista em setembro após volume de vendas cair, aponta CNC

    Índice de Confiança do Empresário do Comércio baixou 2,6% neste mês e marcou 125,5 pontos; CNC avalia que incerteza política e econômica afeta percepção do varejo

    Pedro Guimarães*da CNN

    no Rio de Janeiro

    O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec) marcou 125,5 pontos em setembro, uma redução de 2,6% na comparação com o mês anterior. Os dados foram divulgados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) nesta terça-feira (27). O indicador mostra como os responsáveis pelas empresas enxergam o varejo e o que esperam para os próximos meses.

    De acordo com o levantamento da CNC, a percepção sobre as condições atuais foi a que mais impactou o Icec. A categoria sofreu uma diminuição de 7,1% e marcou 107,8 pontos, influenciada pela avaliação sobre o próprio setor, que caiu 8,1% neste mês, chegando a 108 pontos.

    Os valores vieram em sintonia com o declínio nas vendas por três meses seguidos – de maio a julho -, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    A CNC utiliza dados de aproximadamente seis mil empresas em uma escala de zero a 200, tendo 100 como neutralidade. A economista da entidade Iziz Ferreira analisa que, apesar de operar acima do nível de indiferença, o Icec demonstra o cenário de indefinição do setor.

    “O otimismo vem caindo não só pelo desempenho do comércio, mas também pelo cenário de incerteza, como que governo virá e a agenda econômica que irá adotar”, afirma a especialista.

    Para ela, o recuo recente da inflação – acumulada em 8,73% nos últimos 12 meses após a deflação de agosto – e a influência das datas comemorativas, inclusive com a Copa do Mundo deste ano, podem melhorar a confiança do varejo.

    Ainda de acordo com o levantamento da CNC, o plano de renovação dos estoques avançou 1,2% entre agosto e setembro, após dois meses de queda. Na comparação anual, a alta é de 4,4%. A proporção daqueles que consideram seus estoques acima do adequado recuou para 24,4% – ante 25,2% em setembro de 2021.

    “Embora o volume de vendas no varejo esteja crescendo, segundo o IBGE, o varejista tem ajustado a rotatividade dos estoques e aprimorado a gestão das prateleiras”, aponta o Icec da CNC.

    O levantamento também agrega as expectativas para os próximos meses, cujo otimismo caiu 0,2% na comparação com agosto, devido aos desafios dos juros altos e do endividamento para os consumidores.

    Já a perspectiva da economia para o curto prazo teve uma leve alta de 0,4%, com influência da revisão do PIB para cima pelo mercado, da melhora no mercado de trabalho e dos programas de transferência de renda do governo.

    Nas intenções de investimentos, o resultado foi de -2,4%, puxado pela redução no item de contração de funcionários (-3,6%) e nas próprias empresas (-4,1%), com melhora apenas nos estoques, cuja evolução foi de 1,2%.

    Em um ano, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio teve um aumento de 5,2%, provocado principalmente pela retomada do movimento de consumidores nas ruas. No entanto, ainda se mantém 2,7 pontos percentuais abaixo do nível anterior à pandemia.

    *Sob supervisão de Pauline Almeida