Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Copom mantém Selic em 13,75% ao ano após doze altas seguidas

    Movimento marca fim de maior ciclo de aperto monetário, iniciado em março de 2021, quando a taxa básica de juros da economia estava em 2%

    Ligia TuonAna Carolina Nunesdo CNN Brasil Business

    em São Paulo

    O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidiu manter a Selic —taxa básica de juros da economia—, em 13,75% nesta quarta-feira (21). A decisão era amplamente esperada pelo mercado.

    Em comunicado, o Copom aponta que, apesar da manutenção, não está descartada nova alta caso “o processo de desinflação não transcorra como esperado.” “O Comitê se manterá vigilante, avaliando se a estratégia de manutenção da taxa básica de juros por período suficientemente prolongado será capaz de assegurar a convergência da inflação. O Comitê reforça que irá perseverar até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas. O Comitê enfatiza que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados e não hesitará em retomar o ciclo de ajuste caso.”

    A decisão de manutenção não foi unânime. Dois membros do Comitê votaram pela elevação de 0,25 ponto percentual. foi a primeira tomada sem unanimidade entre os membros em mais de seis anos. O colegiado teve uma decisão “dividida” pela última vez em março de 2016.

    No comunicado da reunião anterior, o comitê já havia sinalizado para o fim do clico de alta, mas deixou em aberto a possibilidade de um ajuste residual de 0,25 ponto percentual.

    Além da persistência do cenário inflacionário, o comunicado do Banco Central também destaca a atividade econômica brasileira. “A divulgação do PIB apontou ritmo de crescimento acima do esperado no segundo trimestre, e o conjunto dos indicadores divulgado desde a última reunião do Copom seguiu sinalizando crescimento”, observa o documento.

     

    O movimento anunciado nesta quarta-feira (21) marca o fim do maior ciclo de aperto monetário do Brasil desde 1999, quando começou o sistema de metas de inflação. O BC começou a elevar a taxa Selic em março de 2021, quando a taxa básica de juros da economia estava em 2%.

    O atual patamar é o mais alto desde novembro de 2016, quando a taxa básica estava em 14% ao ano.

    A decisão do BC vem em meio a expectativas de inflação ainda distantes da meta, embora as últimas estimativas do mercado mostrem reduções constantes, ligadas, sobretudo, à redução de impostos sobre combustíveis e energia e às sucessivas quedas recentes nos preços de insumos da Petrobras vendidos a distribuidoras.

    No último Boletim Focus, que reúne os cálculos de analistas e instituições financeiras, as estimativas para o IPCA deste ano caíram para 6%, de 6,40% há uma semana. Para o ano que vem, os analistas veem um IPCA de 5,01%, ante 5,17% estimados há uma semana.

    A meta perseguida pelo BC é de 3,50% para este ano, 3,25% para 2023 e 3% para 2024, todas com margem de 1,5 ponto para cima e para baixo.

    Confira a íntegra do comunicado do Copom sobre a decisão desta quarta-feira:

    A atualização do cenário do Copom pode ser descrita com as seguintes observações:

    O ambiente externo mantém-se adverso e volátil, com contínuas revisões negativas para o crescimento das principais economias, em especial para a China. O ambiente inflacionário segue pressionado, enquanto o processo de normalização da política monetária nos países avançados prossegue na direção de taxas restritivas;

    Em relação à atividade econômica brasileira, a divulgação do PIB apontou ritmo de crescimento acima do esperado no segundo trimestre, e o conjunto dos indicadores divulgado desde a última reunião do Copom seguiu sinalizando crescimento;

    A inflação ao consumidor, apesar da queda recente em itens mais voláteis e dos efeitos de medidas tributárias, continua elevada;

    As diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação;

    As expectativas de inflação para 2022, 2023 e 2024 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 6,0%, 5,0% e 3,5%, respectivamente; e
    No cenário de referência, a trajetória para a taxa de juros é extraída da pesquisa Focus e a taxa de câmbio parte de USD/BRL 5,20*, evoluindo segundo a paridade do poder de compra (PPC).

    O preço do petróleo segue aproximadamente a curva futura pelos próximos seis meses e passa a aumentar 2% ao ano posteriormente. Além disso, adota-se a hipótese de bandeira tarifária “verde” em dezembro de 2022 e “amarela” em dezembro de 2023 e de 2024. Nesse cenário, as projeções de inflação do Copom situam-se em 5,8% para 2022, 4,6% para 2023 e 2,8% para 2024.

    As projeções para a inflação de preços administrados são de -4,0% para 2022, 9,3% para 2023 e 3,7% para 2024. O Comitê optou novamente por dar ênfase ao horizonte de seis trimestres à frente, que reflete o horizonte relevante, suaviza os efeitos diretos decorrentes das mudanças tributárias, mas incorpora os seus impactos secundários. Nesse horizonte, referente ao primeiro trimestre de 2024, a projeção de inflação acumulada em doze meses situa-se em 3,5%. O Comitê julga que a incerteza em torno das suas premissas e projeções atualmente é maior do que o usual.

    O Comitê ressalta que, em seus cenários para a inflação, permanecem fatores de risco em ambas as direções. Entre os riscos de alta para o cenário inflacionário e as expectativas de inflação, destacam-se (i) uma maior persistência das pressões inflacionárias globais; (ii) a incerteza sobre o futuro do arcabouço fiscal do país e estímulos fiscais adicionais que impliquem sustentação da demanda agregada, parcialmente incorporados nas expectativas de inflação e nos preços de ativos; e (iii) um hiato do produto mais estreito que o utilizado atualmente pelo Comitê em seu cenário de referência, em particular no mercado de trabalho. Entre os riscos de baixa, ressaltam-se (i) uma queda adicional dos preços das commodities internacionais em moeda local; (ii) uma desaceleração da atividade econômica global mais acentuada do que a projetada; e (iii) a manutenção dos cortes de impostos projetados para serem revertidos em 2023. O Comitê avalia que a conjuntura, ainda particularmente incerta e volátil, requer serenidade na avaliação dos riscos.

    Considerando os cenários avaliados, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom decidiu manter a taxa básica de juros em 13,75% a.a. O Comitê entende que essa decisão reflete a incerteza ao redor de seus cenários e um balanço de riscos com variância ainda maior do que a usual para a inflação prospectiva, e é compatível com a estratégia de convergência da inflação para o redor da meta ao longo do horizonte relevante, que inclui o ano de 2023 e, em grau menor, o de 2024. Sem prejuízo de seu objetivo fundamental de assegurar a estabilidade de preços, essa decisão também implica suavização das flutuações do nível de atividade econômica e fomento do pleno emprego.

    O Comitê se manterá vigilante, avaliando se a estratégia de manutenção da taxa básica de juros por período suficientemente prolongado será capaz de assegurar a convergência da inflação. O Comitê reforça que irá perseverar até que se consolide não apenas o processo de desinflação como também a ancoragem das expectativas em torno de suas metas. O Comitê enfatiza que os passos futuros da política monetária poderão ser ajustados e não hesitará em retomar o ciclo de ajuste caso o processo de desinflação não transcorra como esperado.

    Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Roberto de Oliveira Campos Neto (presidente), Bruno Serra Fernandes, Carolina de Assis Barros, Diogo Abry Guillen, Maurício Costa de Moura, Otávio Ribeiro Damaso e Paulo Sérgio Neves de Souza. Os seguintes membros votaram por uma elevação residual de 0,25 ponto percentual: Fernanda Magalhães Rumenos Guardado e Renato Dias de Brito Gomes.

    *Valor obtido pelo procedimento usual de arredondar a cotação média da taxa de câmbio USD/BRL observada nos cinco dias úteis encerrados no último dia da semana anterior à da reunião do Copom.

    *Com informação de Estadão Conteúdo